Busca avançada
Ano de início
Entree

Mecanismos de toxicidade do fipronil em mitocôndrias e hepatócitos isolados de ratos

Processo: 12/21037-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de novembro de 2012
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica
Pesquisador responsável:Fábio Erminio Mingatto
Beneficiário:Hyllana Catarine Dias de Medeiros
Instituição-sede: Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus Experimental de Dracena. Dracena , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:12/15135-6 - Mecanismos de toxicidade do fipronil em mitocôndrias e hepatócitos isolados de ratos, AP.R
Assunto(s):Toxicidade   Mitocôndrias   Fígado   Hepatócitos   Mecanismos

Resumo

O fígado desempenha função central no metabolismo, pois recebe nutrientes e xenobióticos que são por ele absorvidos, transformados, armazenados e liberados no sangue além de produzir e armazenar a bile. As atividades de biotransformação dos xenobióticos são realizadas pelo fígado principalmente pelo citocromo P450. Grande parte dessas reações está associada à desintoxicação, porém elas podem representar um grande problema, pois os metabólitos produzidos podem ser altamente reativos e mais tóxicos que o composto de origem. A mitocôndria é responsável pela síntese da quase totalidade do ATP necessário à manutenção da estrutura e função celular. A célula parenquimal (hepatócito) é a principal unidade funcional do fígado e tem sido extensivamente utilizada para estudar o metabolismo e a toxicidade de uma grande variedade de substâncias químicas, uma vez que propicia características adequadas ao estudo dos danos que essas substâncias e seus metabólitos podem causar. O fipronil é um inseticida de amplo-espectro de ação utilizado extensivamente para o controle de pestes. Existem relatos descritos na literatura de intoxicação provocada pelo composto, causando até a morte. Sua ação tóxica é atribuída à habilidade do composto de agir nos receptores do ácido ³-aminobutírico como um bloqueador não competitivo. Entretanto, sua ação não está restrita ao sistema nervoso central, já que existem relatos de intoxicação no fígado. Além disso, não existem atualmente relatos disponíveis na literatura acerca dos efeitos hepatotóxicos do fipronil sobre o metabolismo energético celular e o estresse oxidativo. O conhecimento bioquímico da ação do fipronil no fígado a níveis mitocondriais seria de extrema importância para o desenvolvimento de um método de intervenção caso os mamíferos apresentem um quadro de intoxicação pelo composto. Desta forma, esse estudo terá o objetivo de estudar os efeitos do fipronil em mitocôndrias e hepatócitos isolados de ratos, com relação a parâmetros associados à bioenergética, estresse oxidativo e homeostase do cálcio com o intuito de elucidar os mecanismos de ação tóxica da substância.