Busca avançada
Ano de início
Entree

Investigação da atividade biológica de complexos heteronucleares de cobre e platina

Processo: 12/17671-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2013
Vigência (Término): 30 de setembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Química Inorgânica
Pesquisador responsável:Ana Maria da Costa Ferreira
Beneficiário:Esther Escribano Aranda
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:11/50318-1 - Desenvolvimento de compostos com interesse farmacológico ou medicinal e de sistemas para seu transporte, detecção e reconhecimento no meio biológico, AP.TEM
Assunto(s):Compostos de coordenação   Antineoplásicos   Metalofármacos

Resumo

Na literatura, alguns complexos dinucleares já foram preparados com a finalidade de melhorar a atividade anticâncer de potenciais metalodrogas. Exemplos incluem compostos de platina, cobre e rutênio. Neste projeto, são propostas investigações da atividade biológica de complexos heteronucleares contendo cobre e platina, visando aliar a atividade redox e a habilidade de se ligar ao DNA de íons de cobre à atividade nuclease bastante conhecida da platina. Baseado em estudos anteriores, oxindoliminas serão usadas como ligantes do cobre, enquanto aminas e cloreto serão utilizados como ligantes da platina. Todas as espécies preparadas e isoladas serão caracterizadas por diversas técnicas, incluindo espectroscopias UV/Vis, IV, EPR, 1H-RMN e 195Pt-RMN, além de análises termogravimétrica e elementar. Espera-se um acréscimo significativo na atividade antitumoral das espécies dinucleares resultantes, quando comparada à das espécies mononucleares de cada metal, uma vez que as novas espécies complexas devem apresentar atividade redox, com capacidade de gerar de espécies reativas de oxigênio, além de se ligar eficientemente às fitas do DNA, podendo causar danos oxidativos decorrentes. Os estudos propostos devem incluir ainda verificação das possíveis interações dessas espécies metálicas com biomoléculas selecionadas (proteínas específicas e ácidos nucleicos) e das consequentes oxidações intracelulares, como degradação de proteínas, clivagem do DNA e indução de apoptose, através de diferentes metodologias (dicroísmo circular, SDS Page-eletroforese, microscopia confocal, ESI-MS/MS, fluorescência, etc).