Busca avançada
Ano de início
Entree

Restauração florestal de áreas mineradas de bauxita: é necessário o uso de gramíneas exóticas para o recobrimento inicial do solo?

Processo: 12/22840-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2012
Vigência (Término): 31 de julho de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia
Convênio/Acordo: Vale-FAPEMIG-FAPESPA
Pesquisador responsável:Pedro Henrique Santin Brancalion
Beneficiário:Vanessa de Souza Moreno
Instituição-sede: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Empresa:Secretaria de Desenvolvimento Econômico (São Paulo - Estado). Instituto de Pesquisas Tecnológicas S/A (IPT)
Vinculado ao auxílio:10/51233-7 - Recuperação de áreas degradadas de mineração associando técnicas de bioengenharia de solos com geração e manutenção de serviços ambientais, AP.PITE
Assunto(s):Restauração florestal   Bauxita   Gramíneas   Solos   Revegetação   Mineração   Poços de Caldas (MG)

Resumo

A mineração modifica extremamente os ecossistemas e a recuperação dessas áreas é exigida pela legislação. Métodos mais comuns de recuperação incluem a revegetação e a reabilitação, porém a restauração ecológica tem se mostrado promissora nesses casos. Tradicionalmente, essa técnica busca retornar áreas degradadas a um estado histórico, mas essas áreas podem formar ecossistemas híbridos ou neoecossistemas. Avaliar a trajetória sucessional dessas áreas pode indicar que tipo de ecossistemas elas tendem a formar, além de indicar se restauração ecológica pode ser atingida. Nesse contexto, será avaliada a trajetória sucessional de áreas mineradas de bauxita, localizadas na região de Poços de Caldas (MG). Nessas áreas será avaliada uma cronossequência de projetos de restauração. Cada área conterá 4 unidades amostrais, onde serão avaliados dados de composição (riqueza de nativas regionais, de não regionais e exóticas, de espécies zoocóricas e pioneiras; diversidade e índice de equabilidade) e estrutura (cobertura de dossel, densidade total de indivíduos, densidade de indivíduos com altura 0,5 e H < 1 m, densidade de indivíduos com altura > 1 m, altura total da restauração, número de estratos, área basal e cobertura de gramíneas) da vegetação. A definição da trajetória sucessional será realizada por meio de regressões lineares e a interação entre os indicadores avaliados será medida a partir de análises de correlação. Conhecer esses fatores pode redirecionar os objetivos da recuperação, tornando-os mais efetivos e menos dispendiosos. (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
MORENO, Vanessa de Souza. Restauração florestal de áreas mineradas de bauxita: é necessário o uso de gramíneas exóticas para o recobrimento inicial do solo?. 2015. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo (USP). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Piracicaba.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.