Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise populacional de alterações gênicas associadas à exposição às aflatoxinas na hepatocarcinogênese

Processo: 12/23131-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2013
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Leandra Náira Zambelli Ramalho
Beneficiário:Caio Freitas Neves
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:10/20895-4 - Avaliação de adutos AFB1-Lisina e AFB1-N7-guanina como biomarcadores de exposição humana e animal às aflatoxinas, AP.TEM
Assunto(s):Epidemiologia   Carcinoma hepatocelular   Aflatoxinas   Genes p53   Mutação

Resumo

As aflatoxinas são compostos carcinogênicos produzidos por fungos do gênero Aspergillus, que contaminam alimentos antes e após o processamento. A exposição à aflatoxina B1 (AFB1), metabólito com maior toxidez produzido pelo fungo, é biotransformada por enzimas hepáticas microssomais, levando à formação de adutos AFB1-N7-guanina e AFB1-lisina. O Carcinoma Hepatocelular (CHC) representa mais de >80% dos tumores malignos primários do fígado e a associação da AFB1 com o CHC está no fato de que esta toxina tem a capacidade e induzir mutação específica do gene p53. O p53 também se relaciona com outro gene supressor tumoral, a proibitina (PBT), que pode ser encontrada no núcleo ou no citoplasma celular. Nosso objetivo é estudar outras mutações gênicas, diversas às observadas no p53, que possam estar associadas à hepatocarcinogênese em indivíduos expostos a aflatoxinas, além de verificar se a exposição a estas toxinas pode alterar a morfologia, proteômica e genômica do fígado não neoplásico. Amostras hepáticas obtidas a partir de autópsias de pacientes com fígado normal; pacientes com hepatite crônica pelo vírus B cirróticos, com CHC; pacientes com hepatite crônica pelo vírus C (HCV) cirróticos, com CHC; pacientes etilistas crônicos cirróticos, com CHC; pacientes com HVC cirróticos, sem CHC; pacientes etilistas crônicos cirróticos, sem CHC; pacientes não cirróticos, com CHC e blocos de parafina contendo biópsias de pacientes com CHC (n=50). Será avaliado quanto ao aumento da expressão de p53, p21, p27, Rb, p16, ²-catenina, ciclina D1e Proibitina quer sob a forma imuno-histoquímica, quer sob a forma quantitativa por Western blot, além de se estimar sua expressão gênica através do PCR-RT.