Busca avançada
Ano de início
Entree

Crescimento e caracterização de pontos quânticos auto-organizados de InAs dopados com manganês

Processo: 12/24286-8
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2013
Vigência (Término): 31 de outubro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Física - Física da Matéria Condensada
Pesquisador responsável:Euclydes Marega Junior
Beneficiário:Fabio Aparecido Ferri
Supervisor no Exterior: Gregory J. Salamo
Instituição-sede: Instituto de Física de São Carlos (IFSC). Universidade de São Paulo (USP). São Carlos , SP, Brasil
Local de pesquisa : University of Arkansas, Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:11/01137-4 - Crescimento de ponto quânticos auto-organizados de InAs dopados com manganês, BP.PD
Assunto(s):Magnetismo   Materiais magnéticos   Ferromagnetismo   Microscopia   Pontos quânticos

Resumo

O presente projeto aborda a realização de estágio de pesquisa no exterior, no Institute for Nanoscience and Engineering, na University of Arkansas, em Fayetteville, Estados Unidos, através do programa BEPE - Pós-Doutorado por um período de 06 meses. O trabalho visa preencher uma lacuna e dar novas contribuições no entendimento das propriedades de uma forma geral e dos mecanismos responsáveis pelo crescimento e formação de pontos quânticos de InAs dopados com impurezas magnéticas. Este projeto complementa perfeitamente o trabalho de pós-doutoramento em execução, intitulado Crescimento de Pontos Quânticos Auto-Organizados de InAs Dopados com Manganês (Processo FAPESP 2011/01137-4). O grupo Americano tem produzido trabalhos importantes na área, e domina tanto as técnicas de crescimento de nanoestruturas semicondutoras do grupo III-V dopados com Manganês, quanto as diversas técnicas experimentais de caracterização das mesmas. As amostras serão produzidas pela técnica de epitaxia por feixes moleculares (MBE), contendo diferentes concentrações de Manganês, as quais serão caracterizadas principalmente através de técnicas de raios-X, espectroscopia Raman, fotoluminescência, e por medidas de microscopias de varredura eletrônica e força atômica. Em nível atômico, pretende-se caracterizar as amostras por microscopia eletrônica de transmissão. Ainda, medidas magnéticas serão obtidas através de experimentos empregando um magnetômetro SQUID. De uma forma geral, as propriedades magnéticas das amostras serão então estudadas em função da composição, da morfologia, e dos padrões estruturais obtidos. (AU)