Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo dos mecanismos responsáveis pela variação fenotípica em modelos de Distrofia Muscular de Duchenne

Processo: 12/24098-7
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 01 de março de 2013
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Pesquisador responsável:Natássia Moreira da Silva Vieira
Beneficiário:Natássia Moreira da Silva Vieira
Anfitrião: Louis M. Kunkel
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Harvard University, Boston, Estados Unidos  
Assunto(s):Distrofias musculares   Distrofia muscular de Duchenne   Genes modificadores

Resumo

A Distrofia Muscular de Duchenne (DMD) é uma forma de miopatia letal, ligada ao cromossomo X, cuja incidência é de 1:4000 meninos nascidos. A DMD é causada por mutações no gene da distrofina que resulta na produção de uma proteína não funcional. A ausência de distrofina causa degeneração muscular, entretanto os mecanismos secundários envolvidos na patogênese da DMD ainda são pouco conhecidos e representam um caminho inexplorado que poderia levar à um tratamento destas doenças. Diferentemente da DMD humana, cuja progressão é muito semelhante entre pacientes portadores de mutação, os modelos animais para DMD, em particular os cães GRMD (Golden Retriever Muscular Dystrophy) apresentam grande variabilidade no grau de severidade da doença, que pode estar relacionada à fatores que estão modulando o fenótipo destes animais. Descobrir mecanismos que protegem o músculo dos efeitos da mutação no gene da distrofina pode abrir novos caminhos para o tratamento. Através do estudo de exceções entre os cães GRMD pretendemos identificar quais fatores estão influenciando e modulando a patogênese nesses animais e posteriormente testar os efeitos da modulação destes fatores no músculo distrófico. De acordo com os resultados a manipulação destes fatores pode resultar em uma terapia para esta doença. Visando alcançar esse objetivo será feito o estudo dos genes diferencialmente expressos encontrados na análise de microarray de expressão do músculo comparando cães pouco afetados, severamente afetados e normais. Em seguida será feita a avaliação da expressão destes genes n vivo utilizando o modelo zebrafish de DMD e camundongos dystrophicos. (AU)