Busca avançada
Ano de início
Entree

Expressão do gene da quitinase e análise de sinergismo entre toxinas de Bacillus thuringiensis no controle de Spodoptera frugiperda

Processo: 12/14275-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2013
Vigência (Término): 31 de maio de 2014
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitossanidade
Pesquisador responsável:Janete Apparecida Desidério
Beneficiário:Maria Laura Viola Augusto
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Assunto(s):Quitinase   Bacillus thuringiensis   Controle biológico

Resumo

Quitinases (E.C. 3.2.1.14) são enzimas que degradam a quitina, o segundo composto orgânico mais abundante na natureza, presente em diversos organismos, como bactérias, fungos, plantas e insetos. Na busca por métodos alternativos no controle de pragas agrícolas, visando à diminuição de problemas causados pelo uso de agrotóxicos ao meio ambiente, seres humanos e a diminuição da produtividade das culturas, as quitinases têm sido utilizadas com sucesso na combinação com as proteínas inseticidas Vip e Cry, produzidas pela bactéria gram-positiva, Bacillus thuringiensis. A quitinase atua aumentando a atividade inseticida por perfurar a membrana peritrófica no intestino médio das larvas e, assim, aumentando a acessibilidade dessas proteínas aos receptores nas membranas das células epiteliais no patógeno. O uso de bioenseticidas formulados á base de B. thuringiensis tem apresentado resultados satisfatórios contra insetos da ordem Lepidoptera como a Spodoptera frugiperda (Smith, 1797) também conhecida como a lagarta-do-cartucho, que é a principal praga da cultura do milho no Brasil. O presente trabalho tem como objetivo o isolamento, sequênciamento e expressão do gene da quitinase (chi) de um isolado de B. thuringiensis, e análise de possível sinergismo entre a quitinase e as proteínas Cry1 e Vip3 no controle de Spodoptera frugiperda, podendo então determinar se o isolado será eficiente como um bioinseticida, ou como fonte de genes para construção de plantas de milho pirâmidadas, com mais de um transgene, diminuindo as chances do inseto se tornar resistente.

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
AUGUSTO, Maria Laura Viola. Caracterização do gene chi_l555 e propriedades bioquímicas da quitinase de Bacillus thuringiensis. 2014. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias..

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.