Busca avançada
Ano de início
Entree

Imuno-histoquímica, implante de materiais porosos em coelhos e técnicas de processamento ósseo

Processo: 13/01846-0
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 01 de abril de 2013
Vigência (Término): 31 de março de 2014
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia de Materiais e Metalúrgica
Pesquisador responsável:Ana Helena de Almeida Bressiani
Beneficiário:Kalan Bastos Violin
Supervisor no Exterior: Kunio Ishikawa
Instituição-sede: Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN). Secretaria de Desenvolvimento Econômico (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Kyushu University, Japão  
Vinculado à bolsa:10/20698-4 - Avaliação da osteointegração de implantes cerâmicos e metálicos por diversas técnicas, BP.DR

Resumo

O desenvolvimento de biomateriais para implantes é amplamente realizado devido a demanda dos mesmos frente às inúmeras enfermidades ósseas que necessitam de intervenção médico cirúrgica, seja na área ortopédica ou odontológica. Para substituir o tecido ósseo e restituir suas funções fisiológicas é necessário que esses implantes apresentem características físicas e químicas controladas favoráveis ao tecido ósseo. A interação entre célula e biomaterial é orquestrada pelas proteínas e glicídios de membrana, presentes nas células ósseas e células sanguíneas, além das proteínas e substâncias presentes no soro, determinando assim o sucesso ou insucesso do biomaterial em contato com o tecido, conforme a interação entre esses elementos no tecido vivo. Assim, marcadores moleculares, como as proteínas expressas pelo osso, podem identificar os biomateriais para implantes e processos que são mais favoráveis para as células ósseas. Os biomateriais porosos utilizados são: Titânio comercialmente puro (Ticp) e a liga de Ti-13Nb-13Zr obtidos por metalurgia do pó, e os bifásicos de fosfatos de cálcio, hidroxiapatita (HAp) e beta-fosfato tricálcico (beta-TCP). A identificação da expressão de proteínas no tecido implantado será realizada pela técnica de imuno-histoquímica (IHQ), que evidencia a presença de proteínas em cortes histológicos. A análise por IHQ de proteínas que estimulam o crescimento ósseo, como BMPs, osteocalcina e osteopontina, indicarão, em conjunto com as outras análises moleculares histológicas desenvolvidas, como a lectina-histoquímica, os biomateriais implantados nos ossos e seus processos de obtenção, que melhor apresentam resultados de osteointegração. (AU)