Busca avançada
Ano de início
Entree

Revisão taxonômica e análise filogenética do gênero Hylomyrma Forel, 1912 (Formicidae: Myrmicinae: Myrmicini), com base em dados morfológicos e moleculares

Processo: 12/21309-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2013
Vigência (Término): 31 de julho de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia
Pesquisador responsável:Carlos Roberto Ferreira Brandão
Beneficiário:Mônica Antunes Ulysséa
Instituição-sede: Museu de Zoologia (MZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):15/06485-1 - Morfologia de ergatóides e intercastas em Hylomyrma Forel, 1912 (Formicidae: Myrmicinae: Pogonomyrmecini), BE.EP.DR
Assunto(s):Hymenoptera   Revisão taxonômica   Myrmicinae

Resumo

Formigas compõem o grupo de insetos eussociais com o maior sucesso ecológico e dominante em praticamente todos os ecossistemas terrestres. Contudo, as relações filogenéticas entre as principais linhagens de Formicidae são fontes de incerteza na literatura. Este é o caso de Myrmicinae, cuja posição entre as demais subfamílias de Formicidae e filogenia interna não estão claras. Dentre as 25 tribos de Myrmicinae, Myrmicini é considerada a linhagem basal e tem sido apontada como não monofilética. No entanto, muito há por se investigar acerca das relações internas aos gêneros da tribo, visto que a última filogenia do grupo amostrou somente duas espécies de Hylomyrma e apenas espécies de Pogonomyrmex com distribuição na América do Norte, gêneros sugeridos como grupo-irmãos. Hylomyrma é um gênero Neotropical, com 13 espécies de hábitos crípticos habitantes da serapilheira, caracterizado pela homogeneidade morfológica. Entretanto, a identidade de algumas espécies é questionada justamente por terem sido descritas a partir de uma série de no máximo três exemplares, o que restringe a compreensão da variação dos caracteres apontados na delimitação da unidade específica. Em anos recentes, a investigação da serapilheira com o Extrator de Winkler, especialmente na Mata Atlântica (Projeto BIOTA/FAPESP) e Amazônia, e a coleta de Hymenoptera utilizando a armadilha tipo Malaise (Projeto HYMPAR/FAPESP), possibilitaram a amostragem frequente de indivíduos de Hylomyrma, tanto operárias quanto machos e gines. Em decorrência destes projetos e do recebimento de formigas de distintos locais do Brasil e América Latina, a Coleção de Formicidae do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo acumula hoje uma quantidade significativa de material de Hylomyrma, com ampla representatividade geográfica e da variação morfológica das espécies do gênero, além de espécimes que claramente não pertencem às espécies já conhecidas. Deste modo, fornece subsídios para a realização de uma revisão taxonômica e análise filogenética robusta de Hylomyrma.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MÔNICA ANTUNES ULYSSÉA; LÍVIA PIRES DO PRADO; CARLOS ROBERTO F. BRANDÃO. CATALOGUE OF THE DOLICHODERINAE, FORMICINAE AND MARTIALINAE (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) TYPES DEPOSITED AT THE MUSEU DE ZOOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, BRAZIL. Papéis Avulsos de Zoologia (São Paulo), v. 57, n. 23, p. -, 2017.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.