Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência clínica e microbiológica do momento de administração de amoxicilina e metronidazol sistêmicos associados a RAR no tratamento de indivíduos com periodontite

Processo: 12/23731-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de abril de 2013
Vigência (Término): 31 de julho de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Periodontia
Pesquisador responsável:Marcelo de Faveri
Beneficiário:Daiane Fermiano Brunale
Instituição-sede: Universidade de Guarulhos (UNG). Campus Guarulhos-Centro. Guarulhos , SP, Brasil
Assunto(s):Periodontite agressiva   Microbiologia

Resumo

A combinação do metronidazol (MTZ) e amoxicilina (AMX) tem se mostrado uma terapia adjunta promissora no tratamento das periodontites crônica e agressiva. Porém, o momento ideal para a utilização dessas drogas em periodontia ainda não foi testada. Alguns grupos de pesquisa sugerem o uso da antibioticoterapia sistêmica no mesmo momento em que a raspagem e alisamento radicular (RAR) é conduzida, por outro lado existem grupos que sugerem o seu uso após a terapia anti-infecciosa. Esta informação ainda não foi estudada na literatura, sendo que essas definições são muito importantes, pois o uso de MTZ e AMX vem se mostrando promissor no tratamento das periodontites e os protocolos de tratamento precisam ser melhor definidos. Sendo assim, o objetivo deste estudo é comparar os efeitos clínicos e microbiológicos de diferentes momentos de administração de MTZ (400 mg) e AMX (500mg) no tratamento da periodontite crônica e agressiva. Sessenta e quatro indivíduos, sendo 32 indivíduos com periodontite crônica generalizada (PCrG) e 32 indivíduos com periodontite agressiva generalizada (PAgG), serão aleatoriamente distribuídos em dois grupos terapêuticos (n=32 indivíduos/grupo; 16 PCrG e 16 PAgG), sendo Grupo Teste 1: RAR+AMX+MTZ - administrados no início da RAR; e Grupo Teste 2: RAR+AMX+MTZ - administrados imediatamente após o término da RAR. Os indivíduos em ambos os grupos receberão a terapia de RAR em 14 dias, sendo que os indivíduos do grupo Teste 1 receberão medicação placebo durante 14 dias após a RAR e os indivíduos do grupo Teste 2 receberão a medicação placebo durante as duas primeiras semanas de RAR. Ambos os antibióticos sistêmicos, bem como seus respectivos placebos, serão administrados 3x ao dia durante 14 dias. Todos os indivíduos serão avaliados clinica e microbiologicamente no exame inicial, e em 90 e 180 e 360 dias pós-RAR. Serão avaliados 6 sítios por dente para os parâmetros de profundidade de sondagem, nível de inserção clínica e percentual de sítios apresentando placa visível, sangramento gengival, sangramento à sondagem e supuração. Dezoito amostras de biofilme subgengival serão coletadas por indivíduo, sendo 9 amostras analisadas para 40 espécies bacterianas pelo teste checkerboard DNA-DNA hybridization e outras 9 amostras para 20 espécies bacterianas ainda não cultivadas pela técnica RNA-oligonucleotide quantification (ROQT). Diferenças nos parâmetros clínicos e microbiológicos entre os tempos experimentais em cada grupo serão avaliadas por meio dos testes Friedman e Dunn. O teste Mann-Whitney será utilizado para examinar as diferenças entre os dois grupos terapêuticos nos diferentes tempos experimentais. As análises microbiológicas serão realizadas utilizando ajustes para comparações múltiplas. A significância estatística será estabelecida em 5% (p d 0,05).

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
ARETUZA FRITOLI; CRISTIANE GONÇALVES; MARCELO FAVERI; LUCIENE CRISTINA FIGUEIREDO; PAULA JULIANA PÉREZ-CHAPARRO; DAIANE FERMIANO; MAGDA FERES. The effect of systemic antibiotics administered during the active phase of non-surgical periodontal therapy or after the healing phase: a systematic review. Journal of Applied Oral Science, v. 23, n. 3, p. -, Jun. 2015.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.