Busca avançada
Ano de início
Entree

O papel da melatonina exógena no meio de maturação in vitro de oócitos bovino e suíno: determinação e quantificação dos principais metabólitos por espectrometria de massas

Processo: 12/20843-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2013
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Reprodução Animal
Pesquisador responsável:Cláudia Lima Verde Leal
Beneficiário:Mirela Batista Coelho
Instituição-sede: Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA). Universidade de São Paulo (USP). Pirassununga , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:10/51677-2 - Técnicas modernas em espectrometria de massas e desenvolvimento de novas aplicações em ciências: química, bioquímica, materiais, forense, medicina, alimentos, farmácia e veterinária, AP.TEM
Assunto(s):Espectrometria de massas   Maturação in vitro   Melatonina

Resumo

O desenvolvimento de novas tecnologias na produção animal, assim como o conhecimento dos sistemas biológicos, são pesquisas relevantes para o progresso das biotecnologias do setor agropecuário no Brasil. Nesta atividade econômica, a área de reprodução animal tem especial interesse devido ao seu impacto na produção animal. Neste projeto, propomos a análise do perfil metabolômico da melatonina exógena e de seus possíveis metabólitos gerados em meio de maturação in vitro em oócitos da espécie bovina e suína, utilizando para tal o desenvolvimento, validação e aplicação de uma metodologia analítica de alta confiabilidade baseada em cromatografia líquida e espectrometria de massas sequencial (HPLC-MS/MS). A melatonina é um hormônio de significativa importância biológica, mas com funções pouco elucidadas no desenvolvimento oocitário e embrionário de bovinos e suínos. O método de HPLC-MS/MS desenvolvido será aplicado também na análise comparativa entre as amostras de fluído folicular obtidas das mesmas espécies e em diferentes fases do desenvolvimento, de forma a elucidar o papel da melatonina na competência oocitária e confirmar a faixa fisiológica desses metabólitos. Estudos apresentados na literatura mostram que a maturação in vitro pode ser prejudicada por estresse oxidativo causado por espécies reativas de oxigênio, frente às quais a melatonina pode apresentar efeito inativante. Resultados prévios com análise de líquido folicular bovino mostraram que a análise pelo método proposto (HPLC-MS/MS) apresentou uma linearidade com coeficiente de regressão maior que 0,99 para ambos os metabólitos propostos. Os limites de quantificação (LOQ) foram de 2.5 pg.mL-1 para os metabólitos AFMK e AMK, 5 pg.mL-1 para melatonina e 12.5 pg.mL-1 para 6HMEL e NAS, respectivamente. Os limites de detecção (LOD) foram de 0,75 pg.mL-1 para os metabólitos AFMK e AMK, 1,5 pg.mL-1 para melatonina e 3,75 pg.mL-1 para 6HMEL e NAS, respectivamente. Esses dados proporcionam o início da compreensão dos padrões fisiológicos da melatonina e de seus metabólitos em líquido folicular bovino e nos permite a questionar a atuação da melatonina em experimentos in vitro como na maturação oocitária. Esses dados ainda nos permitem delinear o possível mecanismo e suas interações da melatonina e de seus metabólitos frente às variadas condições de estresse e tentar elucidar os possíveis mecanismos desempenhados por esses compostos no sucesso do sucesso da produção in vitro de embriões bovinos.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
COELHO, MIRELA B.; RODRIGUES-CUNHA, MARIA CAROLINA; FERREIRA, CHRISTINA R.; CABRAL, ELAINE C.; NOGUEIRA, GUILHERME P.; EBERLIN, MARCOS N.; LEAL, CLAUDIA L. V.; SIMAS, ROSINEIDE C. Assessing melatonin and its oxidative metabolites amounts in biological fluid and culture medium by liquid chromatography electrospray ionization tandem mass spectrometry (LC-ESI-MS/MS). ANALYTICAL METHODS, v. 5, n. 24, p. 6911-6918, 2013. Citações Web of Science: 2.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.