Busca avançada
Ano de início
Entree

Padrões de colonização e efeito na regeneração natural de duas espécies arbóreas invasoras em um plantio de restauração florestal

Processo: 12/18703-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2013
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Florestais e Engenharia Florestal - Conservação da Natureza
Pesquisador responsável:Pedro Henrique Santin Brancalion
Beneficiário:Felipe Arthur Benedetti
Instituição-sede: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Assunto(s):Restauração florestal   Invasão biológica

Resumo

A invasão biológica está entre os fatores envolvidos no declínio de muitas áreas em processo de restauração ecológica. No entanto, embora o uso deliberado de espécies exóticas seja uma prática comum em projetos de restauração no Brasil, pouco ainda se conhece sobre como essas espécies exóticas podem vir a se tornar invasoras nesses projetos, tornando incerto o futuro de muitas áreas hoje em processo de restauração devido à falta de diretrizes a serem seguidas para o manejo dessas espécies. O presente estudo visa avaliar os padrões de colonização e o efeito na regeneração natural de duas espécies exóticas invasoras numa área em restauração florestal. O projeto será realizado em um plantio de restauração florestal de 23 anos situado na cidade de Iracemápolis-SP. Atualmente o sub-bosque da área se encontra densamente ocupado por juvenis de vampi (Clausena excavata) e pau-formiga (Triplaris americana), as quais serão as espécies avaliadas. Por meio de 220 parcelas experimentais instaladas nesse reflorestamento, serão avaliados os padrões de colonização (relação entre a densidade das exóticas e a abertura do dossel, a proximidade das bordas do fragmento e de indivíduos adultos dessas espécies) e o efeito na regeneração natural dessas duas espécies exóticas (relação entre a densidade das exóticas e a densidade, riqueza e diversidade de espécies arbustivas e arbóreas nativas regenerantes, e o sucesso de estabelecimento de nativas oriundas de semeadura direta em parcelas com e sem remoção de exóticas).