Busca avançada
Ano de início
Entree

A escravidão e a política luso-brasileira para o Rio da Prata, 1777-1828

Processo: 12/19759-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2013
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Humanas - História - História do Brasil
Pesquisador responsável:Rafael de Bivar Marquese
Beneficiário:Gabriel Aladrén
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Rio da Prata   Relações internacionais   Escravidão   Fronteiras

Resumo

Este projeto de investigação visa examinar o papel da escravidão na elaboração da política luso-brasileira para o Rio da Prata, no período de 1777 a 1828. A região platina foi, desde o século XVII, um importante foco de disputa entre as coroas portuguesa e espanhola e, posteriormente, entre o Império do Brasil e as Províncias Unidas do Rio da Prata. Tradicionalmente, a historiografia analisa o tema enfatizando os conflitos em torno dos limites territoriais entre os Estados, a questão dos direitos de comércio e navegação, a passagem de gado e o contrabando pela fronteira e as conexões políticas e militares entre as elites das regiões fronteiriças. Este projeto argumenta que os interesses luso-brasileiros em torno da manutenção e da ampliação da escravidão consistiam em parte essencial da política luso-brasileira para a região platina. O marco cronológico inicial é o ano de 1777, quando Espanha e Portugal assinaram o Tratado de Santo Ildefonso, pondo um fim à guerra luso-espanhola na região platina e estabelecendo limites territoriais provisórios entre os impérios ibéricos na América do Sul. O marco cronológico final é o ano de 1828, quando foi encerrada a guerra entre o Império do Brasil e as Províncias Unidas do Rio da Prata e criada a República Oriental do Uruguai. As fontes que serão coligidas são de natureza variada e foram selecionadas de modo a oferecer informações sobre os principais eixos de ação e os projetos políticos e militares luso-brasileiros concernentes à região platina. Os documentos consistem em correspondência diplomática e administrativa, além de tratados e convenções celebrados por Portugal, Espanha, Brasil e as Províncias Unidas do Rio da Prata.