Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel da sinalização via mTOR na diferenciação, ativação e polarização de Linfócitos T CD4+ induzida por ácidos graxos de cadeia curta

Processo: 13/00962-7
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2013
Vigência (Término): 31 de maio de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Pesquisador responsável:Niels Olsen Saraiva Câmara
Beneficiário:Vinicius de Andrade Oliveira
Supervisor no Exterior: Jonathan D. Powell
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Johns Hopkins University (JHU), Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:11/01016-2 - Ácidos graxos de cadeia curta (SCFA) como moduladores da resposta inflamatória na lesão renal aguda e crônica experimental, BP.DR
Assunto(s):Ácidos graxos   Linfócitos T CD4-positivos

Resumo

Ácido Graxo de cadeia curta (AGCC) são produtos finais produzidos a partir da fermentação de carboidratos complexos pela microbiota intestinal. Tem sido reportado que os AGCCs possuem papeis anti-inflamatórios, protegendo em modelo de colite e também atuando na modulação da função de neutrófilos e na maturação e ativação de células dendríticas. Porém, o seu papel na função de linfócitos T CD4+, células cruciais no curso da resposta imune, ainda não foi investigado. A via mTOR, e seus compelxos mTORC1 e mTORC2, tem sido considerada como uma via central na regulação do metabolismo celular, pois ela pode "sentir" o ambiente extracelular e ser ativada a depender da disponibilidade de elementos importantes para o metabolismo celular, como aminoácidos. Apesar de muito estudada, ainda não está completamente elucidado quais componentes podem ativar esta via. Dados preliminares gerados no meu doutorado mostram que na presença dos AGCC ocorre uma maior diferenciação de linfócitos T CD4+ reguladora (Foxp3+) e células produtoras de IL-17 (Th17). O presente projeto tem como objetivo avaliar o papel dos AGCCs na diferenciação de linfócitos T CD4+ em outras células efetoras Th1, Th2, além das Th17 e T reguladora in vitro, e também verificar a participação da via da mTOR e de seus dois complexos neste contexto de diferenciação. Nós acreditamos que esse estudo trará resultados inovadores no que tange o entendimento da regulação da ativação da via da mTOR, bem como o papel dos AGCCs na biologia dos diferentes subtipos de células T CD4+. (AU)