Busca avançada
Ano de início
Entree

Quitosana associada a grão de soja cru e integral na alimentação de vacas em lactação

Processo: 12/24844-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de abril de 2013
Vigência (Término): 31 de julho de 2014
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Zootecnia - Nutrição e Alimentação Animal
Pesquisador responsável:Francisco Palma Rennó
Beneficiário:Filipe Zanferari
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Ácidos graxos   Aditivos   Composição do leite   Produção de leite   Fermentação ruminal

Resumo

A utilização de aditivos, assim como a de fontes de gordura suplementar, têm sido práticas comuns na alimentação de ruminantes, principalmente por permitir a melhoria do status energético e do desempenho produtivo dos animais. Como alternativa aos antibióticos ionóforos usados desde a década de 1970, e hoje em dia proibidos na União Européia, recentemente foi proposta a utilização de quitosana para modular a fermentação e digestão ruminal, com resultados promissores. A quitosana (polímero N-acetil-D-glicosamina) é um biopolímero biodegradável, atóxico, derivado da deacetilação da quitina, que é, por sua vez, o biopolímero mais abundante da natureza após a celulose, sendo componente principal do exoesqueleto de crustáceos e insetos. Por ser um subproduto da indústria pesqueira, a quitosana apresenta um baixo custo. Tanto a suplementação de fontes de gordura, quanto o uso de aditivos, como os ionóforos, podem influenciar a biohidrogenação ruminal de lipídeos. A biohidrogenação é uma etapa importante no metabolismo ruminal de ácidos graxos e pode ser considerada processo de autodefesa dos microrganismos ruminais, que convertem ácidos graxos insaturados em ácidos graxos saturados, menos tóxicos à população microbiana ruminal. Além disso, esse processo reduz o fluxo intestinal de ácidos graxos poliinsaturados para o duodeno, os quais podem ter efeito nutracêutico e/ou moderar o metabolismo e a fisiologia do animal. A hipótese a ser avaliada neste experimento é de que a utilização de quitosana associada à suplementação com gordura, com uso de grão de soja cru e integral, altera a fermentação ruminal e a biohidrogenação ruminal de lipídeos, sem interferir negativamente no consumo e digestibilidade da matéria seca e nutrientes, melhorando a produção e composição do leite. Desta forma, objetivou-se avaliar os efeitos da associação de quitosana com grão de soja cru e integral nas dietas de vacas em lactação sobre o consumo e digestibilidade aparente total da matéria seca e nutrientes, fermentação e síntese de proteína microbiana ruminal, produção e composição do leite, concentrações de parâmetros sangüíneos, perfil de ácidos graxos na gordura do leite, e os balanços de energia e de nitrogênio.