Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização dos mecanismos intracelulares envolvidos na geração e modulação da resposta imunológica adaptativa celular protetora durante a Infecção por Leishmania infantum

Processo: 13/01967-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de abril de 2013
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Pesquisador responsável:João Santana da Silva
Beneficiário:Manuela Sales Lima Nascimento
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):14/10347-0 - Papel de NLRP10 na indução de células Th1 e Th17 durante a infecção por Leishmania infantum, BE.EP.DR
Assunto(s):Leishmania infantum   Doenças transmissíveis   Leishmaniose visceral

Resumo

As leishmanioses constituem um complexo de doenças causadas por protozoários do gênero Leishmania, a qual inclui diversas espécies responsáveis por diferentes formas clínicas da doença. A leishmaniose visceral é uma doença sistêmica, crônica e potencialmente fatal causada por Leishmania infantum, endêmica no Brasil. A resposta Th1 é classicamente associada com proteção contra a doença e há uma correlação positiva entre as citocinas do padrão Th17 e a proteção contra o parasito. Receptores 'Nod-like' (NLR) são importantes para a indução da resposta imune adaptativa, incluindo ativação e diferenciação de células Th1 e Th17. A ativação de NLRs Nod1/Nod2 ou Nlrp1-14 gera uma cascata de sinalização dependente de Rip2 e Asc, respectivamente, sendo a segunda ativadora de caspase-1. Nossos dados preliminares demonstram que a deficiência em Asc, caspase-1, Rip2, Nod2 e Nod1/Nod2 (DKO) torna os animais mais susceptíveis à infecção e, curiosamente, Rip2 modula negativamente IL-17 e positivamente a de IFN-³, enquanto que caspase-1 regula positivamente IL-17 e não tem qualquer efeito sobre a produção de IFN-³. A ausência de Nod1, Nod2, Rip2, Asc e caspase-1 em macrófagos e células dendríticas derivadas de precursores da medula óssea resulta na inibição da expressão funcional de MHC de classe II, CD40, CD86 e citocinas responsáveis pela polarização de linfócitos Th1 e Th17. É claro, portanto, que o parasito interfere na imunidade inata e, nesse contexto, Nod1, Nod2, Rip2, Asc e caspase-1 podem ter influência sobre a diferenciação de linfócitos. Sendo assim, o objetivo deste projeto é determinar os mecanismos envolvidos na geração e/ou modulação da resposta imune protetora, produtora de IL-17 e IFN-³, durante a infecção por L. infantum. A pesquisa irá envolver animais deficientes para Nod1, Nod2, Rip2, Asc, caspase-1 e C57BL/6 WT, com foco nos mecanismos que determinam a proteção durante a infecção. Nós acreditamos que esta análise fornecerá informações importantes para a compreensão dos mecanismos envolvidos na interface parasito/hospedeiro na LV, e poderá contribuir para o desenvolvimento de intervenções terapêuticas para o controle das leishmanioses.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
LIMA NASCIMENTO, MANUELA SALES; CARREGARO, VANESSA; LIMA-JUNIOR, DJALMA SOUZA; COSTA, DIEGO LUIS; RYFFEL, BERNHARD; DUTHIE, MALCOLM S.; DE JESUS, AMELIA; DE ALMEIDA, ROQUE PACHECO; DA SILVA, JOAO SANTANA. Interleukin 17A Acts Synergistically With Interferon gamma to Promote Protection Against Leishmania infantum Infection. Journal of Infectious Diseases, v. 211, n. 6, p. 1015-1026, MAR 15 2015. Citações Web of Science: 43.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
NASCIMENTO, Manuela Sales Lima. A sinalização via NOD2-RIP2 modula a imunidade adaptativa contra Leishmania infantum. 2016. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Ribeirão Preto.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.