Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise da proteína hnRNPK nas linhagens celulares NB4 e NB4-R2 de leucemia promielocítica aguda com ênfase na patogênese e na diferenciação celular pelo ácido all-trans retinóico

Processo: 13/00374-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de abril de 2013
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Pesquisador responsável:Andréia Machado Leopoldino
Beneficiário:Karina Stringhetta Padovani
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Receptores do ácido retinoico   Leucemia promielocítica aguda   Diferenciação celular

Resumo

A Leucemia Promielocítica Aguda (LPA) é caracterizada principalmente pela translocação cromossomal t(15,17), que culmina com a fusão dos genes PML (Proteína Leucêmica Promielocítica) e RARa (Receptor de Ácido Retinóico), gerando o oncogene PML-RARa. Este gene codifica um receptor de ácido retinóico mutante que contribui para a leucemogênese interferindo no processo de diferenciação celular bloqueando a mesma no estágio promielocítico. A translocação t(11,17) (q23,21), que também culmina em leucemia promielocítica aguda, gera o oncogene PLZF-RARa, responsável pela resistência ao ácido all-trans retinóico (ATRA). O ATRA ao contrário dos quimioterápicos que visam eliminar as células neoplásicas é usado na terapia antineoplásica para induzir a diferenciação e maturação dos promielócitos neoplásicos em granulócitos. O tratamento propicia bom prognóstico, porém é desfavorável quando a célula leucêmica é resistente ao ATRA. O objetivo do presente projeto é avaliar o papel da proteína hnRNPK na leucemia promielocítica aguda e na indução da diferenciação celular granulocítica, utilizando células NB4 e NB4-R2 humanas tratadas ou não com ATRA na presença ou ausência da proteína hnRNPK. O aumento dessa proteína já foi descrito em diversos tumores, mas a possível participação da hnRNPK no mecanismo de leucemogênese da LPA e na diferenciação celular ainda precisa ser definida. Resultados preliminares obtidos mostram que há alteração na distribuição celular da hnRNPK nas células NB4 submetidas ao tratamento com ATRA, o que indica participação desta proteína no processo. Será realizado o silenciamento de hnRNPK usando RNA de interferência (shRNA) nas células NB4 e NB4-R2 e as mesmas serão submetidas a ensaios de: proliferação celular, viabilidade celular, sensibilidade ao ATRA/diferenciação. (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
PADOVANI, Karina Stringhetta. Análise da proteína hnRNP K nas linhagens celulares NB4 e NB4-R2 de leucemia promielocítica aguda com ênfase na patogênese e na diferenciação celular pelo ácido all-trans retinoico. 2017. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto Ribeirão Preto.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.