Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise do perfil metabólico de laranja doce em resposta à infecção por X. citri, e de plantas geneticamente modificadas que silenciam ou superexpressam o gene maf1

Processo: 13/03404-5
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2013
Vigência (Término): 30 de novembro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Celso Eduardo Benedetti
Beneficiário:Adriana Santos Soprano
Supervisor no Exterior: Patrick Giavalisco
Instituição-sede: Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (Brasil). Campinas , SP, Brasil
Local de pesquisa : Max Planck Society, Potsdam, Alemanha  
Vinculado à bolsa:12/06736-6 - Análise funcional da MAF1 de citros, um regulador negativo da RNA pol III envolvido com o desenvolvimento do cancro cítrico, BP.PD
Assunto(s):Cancro (doença de planta)   Perfil metabólico   Xanthomonas citri   Metabolômica

Resumo

Efetores do tipo "transcription activator-like" (TAL) de patógenos Xanthomonas atuam como fatores de transcrição em células de plantas; no entanto como efetores TAL ativam a transcrição no hospedeiro não é inteiramente conhecido. Descobrimos previamente que PthA4, o principal efetor TAL do patógeno do cancro cítrico, Xanthomonas citri, liga-se especificamente à MAF1 de citros (CsMAF1), um repressor da RNA Pol III que controla a biogênese de ribossomos e crescimento celular em leveduras e humanos e é principalmente regulada pela via TOR. CsMAF1 interagiu com a RNA Pol III de humanos e resgatou o mutante MAF1 de levedura reprimindo a transcrição de tRNAHis. A expressão de PthA4 no mutante MAF1 restaurou sutilmente a síntese de tRNAHis, indicando que PthA4 neutraliza a atividade de CsMAF1. Além disso, mostramos que plantas RNAi de laranja doce com níveis reduzidos de CsMAF1, apresentaram um aumento significativo na transcrição de tRNA e um fenótipo marcante de proliferação celular durante a formação do cancro. Por outro lado, a superexpressão de CsMAF1 foi prejudicial para o crescimento das plântulas, inibiu a síntese de tRNA e atenuou o desenvolvimento do cancro. Portanto, nós identificamos CsMAF1 como um novo alvo do efetor TAL PthA, e que funciona como um supressor do cancro cítrico. No entanto, apesar dos avanços na caracterização da primeira proteína MAF1 de planta, existem ainda questões importantes que precisam ser abordadas. Quais são as quinases e fosfatases de citros que regulam a atividade de CsMAF1? CsMAF1 é um componente da via TOR em plantas? Qual é a relação entre o fenótipo de proliferação celular acentuada observada em plantas RNAi CsMAF1 infectadas com X. citri e a função de TOR na regulação do crescimento e desenvolvimento celular? Dessa maneira, esta proposta visa responder a essas perguntas e descobrir não apenas como células vegetais regulam o seu crescimento em termos fisiológicos/metabólicos sob condições de estresse, mas também como efetores TAL manipulam alvos críticos do hospedeiro para o benefício do patógeno. (AU)