Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel das isoformas da apolipoproteína E (apoE) no fluxo de colesterol em macrófagos e sua influência na infecção por Leishmania spp.

Processo: 12/24452-5
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 15 de fevereiro de 2014
Vigência (Término): 14 de fevereiro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Protozoologia de Parasitos
Pesquisador responsável:Paulo Eduardo Martins Ribolla
Beneficiário:Diego Peres Alonso
Supervisor no Exterior: Toni Aebischer
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Local de pesquisa : Robert Koch Institute (RKI), Alemanha  
Vinculado à bolsa:10/19973-0 - O papel do receptor ativado da proliferação de peroxissomos alfa (PPARalfa) no risco genético a leishmaniose visceral, BP.PD
Assunto(s):Leishmaniose visceral   Infecções por protozoários   Macrófagos   Isoformas de proteínas   Apolipoproteínas E

Resumo

Desordens lipídicas têm sido relatadas em pacientes humanos e até mesmo em cães domésticos com Leishmaniose Visceral (LV) ativa. A LV no Brasil é uma doença parasitária causada pela infecção de macrófagos do hospedeiro pelo protozoário Leishmania infantum chagasi e transmitida pelo flebotomíneo Lutzomyia longipalpis, tendo como principais reservatórios os canídeos selvagens e cães domésticos. Vários estudos evidenciam uma comprovada relação entre os níveis lipídicos séricos e a infecção por Leishmania infantum chagasi, e outros, mais recentemente, mostram que genótipos específicos da apoE estão relacionados a susceptibilidade à LV, sendo assim o presente projeto tem por objetivo avaliar o papel das diferentes isoformas da apoE, na viabilidade de Leishmania spp. dentro da célula hospedeira levando em conta efeitos genótipo-específicos dessa proteína no fluxo de colesterol em macrófagos. Além disso, as possíveis diferenças no fluxo de colesterol serão relacionadas com alterações na integridade da membrana do macrófago infectado, uma vez que o colesterol tem papel essencial na organização dos "lipid rafts" que são estruturas fundamentais nos processos de transdução de sinal e apresentação de antígenos. (AU)