Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência de indicadores de masculinização na atratividade e sexualidade humana

Processo: 12/24951-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de maio de 2013
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia Experimental
Pesquisador responsável:Vera Silvia Raad Bussab
Beneficiário:Kamila Janaina Pereira
Instituição-sede: Instituto de Psicologia (IP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Sexualidade   Etologia humana

Resumo

Registram-se variações entre homens e mulheres quanto à adoção de estratégias sexuais, dentro de um gradiente de restrição-irrestrição, em função de diversos fatores contextuais e de desenvolvimento. Ainda assim, constatam-se diferenças intersexuais: homens têm uma tendência universal à maior prática do sexo casual do que as mulheres, ou seja, eles apresentam sociossexualidade mais irrestrita, que se caracteriza por menor envolvimento afetivo e emocional anteriores à relação sexual. Evolutivamente, uma das teorias explicativas para esta estratégia sexual peculiar relaciona-se ao menor investimento masculino no cuidado da prole e consequente maior investimento na competição e busca por parceiras. Um provável mediador proximal dessa variação intersexual é o nível de hormônios masculinizantes pré-natais e da puberdade. Contudo, existe evidência ambígua se o nível de masculinização é um mediador da diversidade intrassexual na sociossexualidade. Portanto, o objetivo deste trabalho é a análise da variação individual, em cada sexo, na sociossexualidade em função de níveis de masculinização/feminização medidos por intermédio de indicadores autodeclarados, anatômicos, cognitivos e de atratividade facial declarada por terceiros. Em uma primeira etapa, participarão 50 homens e 50 mulheres, com idade entre 18 e 35 anos, que responderão um questionário contendo autoavaliação facial, corporal, vocal e comportamento, em uma escala Likert variando de "muito feminino" a "muito masculino"; Inventário de Orientação Sociossexual - Revisado e teste de rotação mental de objetos tridimensionais de Vandenberg. Em seguida, eles passarão por medições quanto à razão 2D:4D de ambas as mãos, razão cintura/quadril no caso feminino e razão cintura/ombro no caso masculino; e terão seus rostos, frontal e lateralmente, fotografados. Na segunda fase do experimento, estas fotos serão apresentadas a outros voluntários, também com idade entre 18 e 35 anos. As mulheres deste novo grupo avaliarão as fotos masculinas quanto à atratividade, numa escala Likert variando de "pouco atraente" a "muito atraente", enquanto os participantes masculinos avaliarão as fotos femininas, obtendo-se, assim, a avaliação da atratividade facial declarada por terceiros. Portanto, os indicadores de níveis hormonais anatômicos compreenderão as razões 2D:4D, cintura/quadril e cintura/ombro, o cognitivo será o teste de rotação mental e os psicológicos serão as autoavaliações e a avaliação da atratividade facial por terceiros. Então, estes indicadores serão relacionados aos resultados da sociossexualidade em uma tentativa de obter correlações. Em conclusão, este projeto pretende avaliar possíveis relações entre sociossexualidade irrestrita e hormônios masculinizantes pré-natais e da puberdade, para tanto, pretende-se utilizar indicadores anatômicos, cognitivos e psicológicos que têm se mostrado relacionados a alterações hormonais. Pretende-se com os dados contribuir para o entendimento de alguns mecanismos subjacentes ao desenvolvimento e à função adaptativa das estratégias sexuais, de homens e de mulheres, tentar clarear os resultados ambíguos existentes e avaliar algumas teorias evolucionistas.

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
PEREIRA, Kamila Janaina. Influência de indicadores de masculinização na atratividade e sexualidade humana. 2014. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Psicologia São Paulo.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.