Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise funcional de miRNAs e busca de novos alvos no tumor adrenocortical da criança e do adolescente

Processo: 13/06588-0
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2013
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Pesquisador responsável:Carlos Alberto Scrideli
Beneficiário:Paola Fernanda Fedatto
Supervisor no Exterior: J. Silvio Gutkind
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Local de pesquisa : National Institutes of Health, Bethesda (NIH), Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:10/05838-4 - Perfil da expressão de microRNAs em tumores adrenocorticais pediátricos, BP.DR
Assunto(s):Oncologia   MicroRNAs   Oncogenes

Resumo

Os microRNAs (miRNAs) são pequenos RNAs não codificadores que regulam a tradução de genes alvos por meio de ligação sequência-específica a RNAs mensageiros (mRNAs). A pesquisa de identificação de alvos de miRNAs em células de mamíferos é uma das principais áreas de pesquisa, principalmente em câncer. Alguns miRNAs são atualmente conhecidos por desempenharem funções de oncogenes e supressores tumorais, pelo envolvimento na regulação de genes sabidamente envolvidos com a carcinogênese. O campo de estudo dos miRNAs para o câncer está apenas começando a ser explorado, com grande promessa para terapias e diagnósticos futuros. Na primeira etapa do trabalho, realizada no Brasil, avaliamos o perfil de expressão dos miRNAs, por microarrays, de tumor do córtex adrenal de pacientes pediátricos. Sabe-se que apesar de rara na infância, esta doença apresenta altas taxas de mortalidade nos estadios mais avançados, não possui marcador molecular característico e a sua discriminação entre benigno ou maligno é bastante difícil utilizando-se apenas análise de histopatologia. Encontramos miRNAs diferencialmente expressos entre os tumores e os tecidos não neoplásicos e também nos pacientes com prognóstico desfavorável com estadio IV e que tiveram recidiva e/ou metástase. Nesta segunda etapa, estamos propondo realizar análises in sílico, testar os miRNAs candidatos em ensaios funcionais e elucidar as vias intracelulares reguladas por estes miRNAs em colaboração com Dr. Silvio Gutkind e a Dra. Patricia Dillenburg Pilla, NIH (National Institutes of Health), Bethesda, EUA. Esse laboratório domina diversas técnicas de análise funcional de células tumorais animais e humanas. Acreditamos que os dados gerados a partir do desenvolvimento deste projeto venham a contribuir significantemente para o entendimento dos mecanismos de ação de miRNAs na biologia tumoral, em especial de tumores da adrenal. Desvendar os mecanismos de ação desses miRNAs, muitos deles ainda não relacionados com funções conhecidas, permitirá que estes miRNAs sejam utilizados para diagnóstico/prognóstico ou mesmo como alvos terapêuticos e assim servir de base para o desenvolvimento de novos fármacos. (AU)