Busca avançada
Ano de início
Entree

Produção de enzimas celulolíticas pelos fungos Trichoderma reesei e Myceliophthora thermophila e aplicação na sacarificação do bagaço de cana de açúcar

Processo: 13/01756-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de junho de 2013
Vigência (Término): 31 de maio de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Pesquisador responsável:Roberto da Silva
Beneficiário:Priscila Aparecida Casciatori
Instituição-sede: Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (IBILCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José do Rio Preto. São José do Rio Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:10/12624-0 - Aplicação de métodos físico-químicos e enzimáticos na sacarificação do bagaço de cana: estudos de microrganismos, processos fermentativos relacionados e métodos de hidrólise, AP.TEM
Assunto(s):Sacarificação   Fungos   Fermentação em estado sólido   Bioquímica   Celulase

Resumo

Neste momento de discussão da matriz energética do país, as celulases são relevantes para a hidrólise de materiais lignocelulósicos visando à produção de etanol de segunda geração a partir do bagaço de cana. Essa produção envolve três etapas: pré-tratamento do bagaço, hidrólise enzimática da celulose e fermentação de pentoses, as quais necessitam ainda de pesquisas e desenvolvimento científico e tecnológico. Os processos de pré-tratamento têm por objetivo desestabilizar o complexo celulose-hemicelulose-lignina, retirando hemicelulose e/ou lignina e permitindo o acesso das enzimas celulolíticas à celulose para a sua sacarificação. A ozonólise é um pré-tratamento químico da biomassa lignocelulósica e sua ação se deve à exposição do material a ozônio, um poderoso agente oxidante. Devido às diferenças eletrônicas entre lignina e carboidratos, o emprego de processos oxidativos seletivos, tais como os baseados em ozônio, apresenta grandes possibilidades de sucesso. A despolimerização dos carboidratos a açúcares fermentescíveis pode ocorrer por duas vias: hidrólise enzimática ou química. A hidrólise enzimática apresenta diversas vantagens sobre a química, dentre as quais se devem destacar: menor gasto energético e alta especificidade pelo substrato evitando a produção de compostos indesejáveis. A fermentação em estado sólido é um processo que proporciona altas concentrações de enzimas que podem ser aplicadas na etapa de hidrólise. Entretanto, essa técnica ainda carece de conhecimento científico e tecnológico que permita sua aplicação em larga escala para diferentes combinações de microrganismos e substratos, com foco nos fungos filamentosos como agentes fermentativos e nos rejeitos sólidos agroindustriais como substratos econômica e ambientalmente amigáveis. Em trabalhos anteriores do grupo de pesquisa, foram isolados dois fungos bons produtores de celulases/hemicelulases, a saber, o termofílico Myceliophtora thermophila e o mesofílico Trichoderma reesei. Neste contexto, o objetivo deste projeto é estudar a produção de enzimas celulolíticas pelos dois fungos em substratos compostos predominantemente por bagaço de cana-de-açúcar, e a aplicação destas enzimas na sacarificação do bagaço de cana de açúcar in natura e pré-tratado com ozônio e com pré-tratamento hidrotérmico. Os preparados enzimáticos serão utilizados na forma individualizada de cada fungo ou como coquetéis enzimáticos a partir da mistura dos dois extratos. O projeto insere-se na temática do Programa FAPESP de Pesquisa em Bioenergia (BIOEN) e do Centro Paulista de Pesquisa em Bioenergia, e está sendo proposto junto à linha de pesquisa Bioenergia, Tratamento e Aproveitamento de Resíduos do Programa de Pós-Graduação em Química do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas de São José do Rio Preto-SP.

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
CASCIATORI, Priscila Aparecida. Produção de enzimas celulolíticas pelos fungs Trochoderma reesei e Myceliophtrora thermophilia e aplicação na sacarificação do bagaço de cana-de-açucar. 2015. 98 f. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas..

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.