Busca avançada
Ano de início
Entree

Dispositivo de leitura RFID completamente integrado

Processo: 13/04752-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de maio de 2013
Vigência (Término): 30 de novembro de 2014
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Elétrica - Eletrônica Industrial, Sistemas e Controles Eletrônicos
Pesquisador responsável:José Kleber da Cunha Pinto
Beneficiário:Santiago Valdés Ravelo
Empresa:Rfideas Serviços em Tecnologia da Informação Ltda
Vinculado ao auxílio:12/50817-0 - Dispositivo de leitura RFID completamente integrado, AP.PIPE
Assunto(s):Redes e comunicação de dados   Dispositivo de identificação por radiofrequência   Identificação automática e captura de dados   Rastreamento   Escalabilidade

Resumo

A identificação automática e captura de dados - AIDC (Automatic Identification and Data Capture) - refere-se a métodos de identificação automática de objetos, coletando dados sobre eles e adicionando esses dados diretamente a sistemas de computador. As principais tecnologias consideradas como parte do AIDC são: código de barras, código de barras 2D e RFID (Radio Frequency Identification). Predomina em nosso país a tecnologia de identificação por código de barras, acarretando centenas de milhões de reais gastos com ineficiência, perdas, roubos, desperdícios e extravios. O objetivo desse projeto é dar continuidade ao projeto na fase II do PIPE para construir um Portal RFID Completamente Integrado, contendo leitor, antenas, cabos e outros componentes necessários confinados num mesmo gabinete, compacto, leve, portátil, de baixo consumo, de fácil instalação, operação e manutenção, com adaptabilidade automática independente da aplicação para a qual for usado. É uma oportunidade de se massificar o mercado de RFID nacional pela diminuição das barreiras de entrada referentes aos altos custos de importação e escalabilidade da solução. Além da necessidade de se obter desempenho elevado para os critérios de acurácia e interferência de leitura cruzada, há a necessidade de se confinar em um espaço reduzido todos os elementos componentes de um portal e de se criar mecanismos de adaptação inteligente, que possibilitem que as adequações e configurações técnicas referentes à leitura e à conectividade sem fio, sejam feitas de modo automático; portanto, o portal é capaz de se adaptar ao ambiente no qual é inserido, de forma autônoma (plug and play). Nossa empresa RFIDEAS já concluiu a FASE I do programa de PIPE; na Fase II realizaremos a otimização dos projetos eletrônico e mecânico, nova fabricação e montagem dos projetos otimizados, testes e ajustes, elaboração de protótipos finais, homologação do produto junto à ANATEL, depósito de patente e criação dos processos para produção do produto em escala. O mercado de soluções integradas em tecnologia RFID é bastante incipiente no Brasil. Não há empresa nacional fabricando Portais RFID completamente integrados e versáteis para o atendimento à várias aplicações. Algumas empresas que atuam no desenvolvimento de soluções integradas em RFID no país utilizam equipamentos importados para montarem seus portais RFID. Estes portais possuem reduzido grau integração e replicabilidade, necessitam de customizações frequentes a cada nova implementação e apresentam baixa competitividade. O mercado mundial de RFID deverá crescer a uma taxa anual de até 28,8% de 2011 até 2014, quando o mercado atingirá a marca de US$ 12,82 bilhões. As aplicações que mais deverão crescer são: sistemas de localização de tempo real, gestão de ativos de tecnologia, manipulação de bagagens e etiquetagem individual de itens para varejo. Sendo este projeto um Portal RFID integrado e versátil para operação em qualquer nicho de mercado, o seu aproveitamento comercial está orientado a proporcionar melhorias e transformações nos processos de negócio de qualquer uma dessas aplicações. O Portal RFID será comercializado como parte integrante da solução já vendida pela RFIDEAS, para gestão de ativos em centros de processamento de dados. As soluções da RFIDEAS contemplam hardware, software, processos e serviços e deverão gerar receitas superiores a R$ 15 milhões nos próximos 5 anos. (AU)