Busca avançada
Ano de início
Entree

Ingestão proteica para o equilíbrio ácido básico em pacientes nos estágios 3 e 4 da Doença Renal Crônica

Processo: 12/19475-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de julho de 2013
Vigência (Término): 30 de setembro de 2017
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Bioquímica da Nutrição
Pesquisador responsável:Paula Garcia Chiarello
Beneficiário:Larissa Rodrigues Neto Angéloco Lourenço
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):16/03891-1 - Nutrição, inflamação e resistência a insulina na doença renal crônica terminal, BE.EP.DD
Assunto(s):Falência renal crônica   Acidose   Estresse oxidativo   Estado nutricional

Resumo

A Doença Renal Crônica (DRC) é um problema de saúde mundial e a manutenção da nutrição é um importante aspecto na preparação do paciente para iniciar a diálise. A acidose metabólica é uma complicação comum em indivíduos renais crônicos nos estágios 3-5 e constitui um fator capaz de produzir repercussões negativas no estado proteico-energético desses pacientes. A dieta pode ser uma importante variável para esse desequilíbrio ácido-básico. Tem-se questionado se uma elevada ingestão de alimentos proteicos poderia proporcionar maior produção de carga ácida e assim contribuir para a redução dos níveis de bicarbonato sérico, entretanto, ainda são poucas as informações da influência dos componentes da dieta sobre a acidose metabólica. Portanto, verifica-se a importância de investigar a qualidade e quantidade da ingestão proteica, já que esta pode contribuir para o desenvolvimento da acidose, a qual pode causar aumento do estresse oxidativo e inflamação, resultando em alterações no gasto energético de repouso e consequentemente levaria ao prejuízo nutricional destes pacientes. O objetivo do projeto de pesquisa será determinar a ingestão proteica, em aspectos quantitativos e qualitativos, e a carga ácida da dieta que contribuam para manter melhores níveis de bicarbonato sérico, e caracterizar estresse oxidativo proteico, inflamação e gasto energético em pacientes não dialíticos. Serão avaliados pacientes não dialíticos nos estágios 3 e 4 da DRC, com idade acima de 18 anos, encaminhados para os Ambulatórios do Serviço de Nefrologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP e que não estejam em acompanhamento nutricional individualizado. Serão coletadas informações de estado nutricional (antropométricos, bioquímicos e de consumo alimentar), equivalente proteico de aparecimento do nitrogênio, carga ácida da dieta, oxidação proteica, inflamação e gasto energético. O estudo pretende fornecer informações que possam ser úteis na elaboração de propostas para melhorar a assistência nutricional ao paciente portador de DRC, visando manter sua estabilidade metabólica. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
NETO ANGELOCO, LARISSA RODRIGUES; ARCES DE SOUZA, GABRIELA CRISTINA; ROMAO, ELEN ALMEIDA; CHIARELLO, PAULA GARCIA. Alkaline Diet and Metabolic Acidosis: Practical Approaches to the Nutritional Management of Chronic Kidney Disease. JOURNAL OF RENAL NUTRITION, v. 28, n. 3, p. 215-220, MAY 2018. Citações Web of Science: 4.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
LOURENÇO, Larissa Rodrigues Neto Angéloco. Associação entre carga ácida da dieta e bicarbonato sérico em portadores de doença renal crônica. 2017. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Ribeirão Preto.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.