Busca avançada
Ano de início
Entree

Evolução geológica de migmatitos da infraestrutura do sistema de nappes do sul da Faixa Brasília

Processo: 12/24933-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2013
Vigência (Término): 22 de junho de 2016
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geologia
Pesquisador responsável:Mario da Costa Campos Neto
Beneficiário:Caue Rodrigues Cioffi
Instituição-sede: Instituto de Geociências (IGC). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):14/05881-8 - Datação U-Pb de zircão e titanita com LA-ICP-MS de eventos de geração crustal arqueanos a Paleoproterozóicos e processos de retrabalhamento Neoproterozóico nas rochas do embasamento da porção sul do Orógeno Brasília, BE.EP.DR
Assunto(s):Geologia estrutural   Química mineral   Geoquímica   Geocronologia

Resumo

A extensão sul da Faixa Neoproterozóica Brasília é configurada na forma de um sistema de nappes com transporte tectônico, de no mínimo 300km, no sentido ENE. Esse sistema de nappes representa três ambientes tectônicos principais (WSW-ENE): (1) domínio de arco magmático desenvolvido na margem continental ativa da Placa Paranapanema (Nappe Socorro-Guaxupé), (2) domínio continental subductado (Sistema de nappes Andrelândia) e (3) domínio de margem continental passiva e rifte relacionado à Placa do São Francisco (Sistemas de Nappes Carrancas e Lima Duarte). A infraestrutura do sistema de nappes, constituída predominantemente por ortognaisses Arqueanos a Paleoproterozóicos, aflora em uma faixa com mais de 300km de extensão, de direção ENE-WSW. Na porção oeste dessa faixa, ocorrem na forma de um núcleo antiformal, os migmatitos Arqueanos policíclicos do Complexo Amparo. Em direção a leste afloram os migmatitos Riacianos associados ao sistema de nappes Andrelândia e na continuação dessa faixa para nordeste ocorrem os migmatitos da infraestrutura da Nappe Carrancas. Esses migmatitos que constituem a infraestrutura do sistema de nappes do sul da Faixa Brasília são o objeto de estudo dessa pesquisa. Técnicas de análise mineral in-situ associadas à petrografia, geoquímica elemental e isotópica (Rb-Sr e Sm-Nd) serão utilizadas como ferramentas na busca por um modelo petrogenético para esses migmatitos. Cristais de zircão terão seus domínios definidos através de técnicas de imagem como a catodoluminescência. Serão realizadas análises geoquímicas e dos sistemas isotópicos U-Pb e Lu-Hf nos diferentes domínios dos cristais. Esse estudo combinado possibilitará a definição do verdadeiro significado das múltiplas idades obtidas. Busca-se através de um estudo integrado de geoquímica elemental, isotópica, petrologia e geologia estrutural estabelecer-se a evolução tectônica desses migmatitos e sua relação com eventos de crescimento da crosta continental e as etapas orogênicas da história dos supercontinentes, de Columbia a Gondwana.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
CIOFFI, CAUE RODRIGUES; CAMPOS NETO, MARIO DA COSTA; MOLLER, ANDREAS; ROCHA, BRENDA CHUNG. Titanite petrochronology of the southern Brasilia Orogen basement: Effects of retrograde net-transfer reactions on titanite trace element compositions. LITHOS, v. 344, p. 393-408, NOV 2019. Citações Web of Science: 0.
CIOFFI, CAUE RODRIGUES; CAMPOS NETO, MARIO DA COSTA; MOLLER, ANDREAS; ROCHA, BRENDA CHUNG. Tectonic significance of the Meso- to Neoarchean complexes in the basement of the southern Brasilia Orogen. Precambrian Research, v. 287, p. 91-107, DEC 2016. Citações Web of Science: 8.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
CIOFFI, Caue Rodrigues. Processos de acresção e retrabalhamento continental no embasamento do Orógeno Brasília Meridional. 2016. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Geociências São Paulo.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.