Busca avançada
Ano de início
Entree

Ativação do efeito inibitório da via eferente auditiva por estímulo de fala.

Processo: 13/09384-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2013
Vigência (Término): 31 de março de 2015
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fonoaudiologia
Pesquisador responsável:Renata Mota Mamede Carvallo
Beneficiário:Natalia Faria Siqueira Brito
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Emissões otoacústicas   Audiologia   Testes auditivos   Audição

Resumo

A cóclea pode ser descrita como um analisador de frequências caracterizado por um conjunto de três canais justapostos em forma de espira.O fenômeno das Emissões Otoacústicas (EOA) é considerado como uma das grandes descobertas científicas na área da Audiologia. Seu exame possi¬bilita avaliar a atividade motora da cóclea e traz novos conhecimentos sobre a fisiologia coclear. No entanto, tais registros trazem informações somente sobre o sistema auditivo aferente. Os estudos sobre a supressão das EOAE contribuíram para a avaliação do sistema auditivo eferente. Atualmente, não são conhecidos outros testes audiológicos que possam avaliar a atividade eferente deste sistema olivococlear.Quando as EOAE são registradas com apresentação de ruído, seja ele ipsilateral, contra¬lateral ou bilateral, as vias eferentes do sistema olivococlear medial são ativadas, de forma a afetar o processo coclear. Tal fato pode ser observado com a redução no nível de respostas das EOAE e é denominado de Efeito de Supressão das Emissões Otoacústicas. Tal teste avalia o efeito inibitório da função auditiva eferente sobre as CCE. Há interesse, portanto, nos estudos que apontem as aplicações clínicas deste efeito de supressão, para melhor esclarecimento das possibilidades de utili¬zação do teste no diagnóstico audiológico.Este trabalho tem o objetivo de verificar a ocorrência do efeito inibitório da via eferente auditiva nas respostas de emissões otoacusticas por transientes, com diferentes estímulos supressores apresentados de forma contralateral: estímulo de fala, de ruído branco e de ruído de fala (Talk Noise). Especificamente o estudo visa a: I.Quantificar o efeito inibitório para cada um dos três estímulos simultâneos contralaterais.II.Comparar a variação do efeito inibitório entre os três tipos de estímulos simultâneos contralaterais.III.Comparar o efeito inibitório entre orelhas direita e esquerda .IV.Analisar o efeito inibitório segundo o sexo.A bateria de testes será realizada em 30 indivíduos com idades entre 18 e 30 anos, sendo 15 do sexo masculino e 15 do sexo feminino, que apresentem limiares auditivos em nível de intensidade inferior a 20 decibel nível de audição (dBNA) nas frequências de 250 a 8.000 Hz.Os procedimentos serão aplicados em sessão única, compreendendo aproximadamente uma hora de duração.Os procedimentos são todos não invasivos, constituídos por análise de respostas eletroacústicas à estímulos sonoros apresentados por fones auriculares, fones de inserção ou por sondas acústicas de inserção no meato acústico externo. Todos os estímulos apresentados são calibrados em intensidade confortável para o ouvinte, não atingindo ou excedendo o limite de desconforto auditivo.

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
BRITO, Natalia Faria Siqueira. Ativação do efeito inibitório da via eferente auditiva por estímulo de fala. 2015. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Medicina São Paulo.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.