Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da participação da SERCA2a cardíaca em ratos submetidos à estenose aórtica supravalvar com disfunção cardíaca

Processo: 13/09830-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2013
Vigência (Término): 31 de agosto de 2015
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Antonio Carlos Cicogna
Beneficiário:Izabelle Ferreira da Silva Mazeto
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Estenose da valva aórtica

Resumo

Em condições de sobrecarga pressórica, o coração se submete ao processo adaptativo da remodelação cardíaca (RC). Dentre as formas em que essa modificação se apresenta, destaca-se a hipertrofia ventricular. Esta determina, inicialmente, uma melhora da função sistólica, na busca pela manutenção da estabilidade cardíaca. Entretanto, a longo prazo, a RC representa um fator de risco para a disfunção ventricular e insuficiência cardíaca. Dentre os modelos experimentais disponíveis para o estudo dos efeitos da sobrecarga pressórica, destaca-se a estenose aórtica supravalvar (EAoSV) por, devido ao seu caráter gradual, se assemelhar mais à condição equivalente ao ser humano. Nesse modelo, vários autores detectaram disfunção diastólica em ratos de 6 semanas. Outros pesquisadores, além desse achado, encontraram uma redução na expressão proteica da SERCA2a. Entretanto, na literatura e em estudo realizado em nosso laboratório não foi encontrada relação objetiva entre a diminuição da SERCA2a e a queda do desempenho diastólico em ratos com estenose aórtica de 6 semanas. Assim, o objetivo desse trabalho é: 1) avaliar a presença da disfunção cardíaca no ventrículo esquerdo e no miocárdio após 18 semanas de indução de EAoSV em ratos, utilizando o ecocardiograma e músculo papilar isolado, respectivamente; 2) analisar a participação da SERCA2a no processo de disfunção cardíaca, por meio do bloqueio específico dessa proteína no músculo papilar isolado. (AU)