Busca avançada
Ano de início
Entree

O trabalho informal no comércio popular: ressignificando práticas na nova cultura do trabalho

Processo: 13/09560-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2013
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Sociologia - Outras Sociologias Específicas
Pesquisador responsável:Jacob Carlos Lima
Beneficiário:Felipe Rangel Martins
Instituição-sede: Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Empreendedorismo   Sociologia do trabalho

Resumo

Esta pesquisa se propõe a refletir sobre as trajetórias ocupacionais de trabalhadores engajados em formas de comércio popular. Temos como pano de fundo as transformações capitalistas das últimas décadas, que desencadearam mudanças econômicas, tecnológicas e culturais cujos efeitos impactaram profundamente o trabalho como estruturador de identidades e valores sociais. Observa-se que a precarização das relações formais de trabalho associada à disseminação da ideologia do empreendedorismo têm resultado na busca por alternativas de ocupação e renda que afrouxam as fronteiras entre o formal e o informal. Nesse movimento, as demarcações entre o legal e o ilegal também se tornaram menos evidentes e significativas. Assim, discutimos a inserção dos agentes em atividades econômicas informais - como as exercidas por camelôs e sacoleiros -, tentando escapar da experiência do desemprego ou precariedade do mercado de trabalho como imperativos para o engajamento nessas ocupações. Levando em consideração a dimensão subjetiva das situações, procuramos refletir acerca da influência de um discurso empreendedor sobre a disposição dos sujeitos. A partir da recuperação de trajetórias ocupacionais de agentes envolvidos em diferentes escalas do comércio popular, objetiva-se compreender a percepção do trabalhador sobre sua ocupação e os valores atribuídos a essas formas de trabalho no mundo contemporâneo, considerando que, apesar de tradicionais, essas atividades têm passado por reconfigurações de suas práticas e significados frente ao novo contexto econômico e cultural que se apresenta.