Busca avançada
Ano de início
Entree

O papel dos fungos negros associados às formigas-cortadeiras (Formicidae: Tribo Attini)

Processo: 13/08540-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2013
Vigência (Término): 31 de julho de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia
Pesquisador responsável:Fernando Carlos Pagnocca
Beneficiário:Ana Paula Miranda Duarte Toledo
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Assunto(s):Metagenômica

Resumo

O mutualismo obrigatório de formigas Attini com seu fungo cultivado é um exemplo de simbiose moldada em milhões de anos de coevolução. As formigas Attini cultivam fungos basidiomicetos (Basidiomycota; Agaricales: Lepiotaceae e Pterulaceae) como fonte de enzimas e alimento em jardins especializados. Dentro da tribo Attini, os gêneros Acromyrmex e Atta são comumente conhecidos como formigas-cortadeiras por possuírem o hábito de cortar elevadas quantidades de material vegetal, utilizadas como substrato para o crescimento do fungo simbionte. Além da relação mutualística com fungos basidiomicetos, as formigas Attini estão envolvidas em uma associação simbiótica com actinobactérias do gênero Pseudonocardia, que produzem antibióticos para inibir o crescimento do Escovopsis, um fungo parasita especializado dos jardins de fungos simbiontes.Durante 120 anos de pesquisas sobre a relação das formigas Attini com o fungo cultivado, iniciadas com o trabalho de Möller (1893), muitas descobertas foram feitas devido, em grande parte, aos avanços tecnológicos. Assim, a compreensão que se tinha da simbiose foi sendo modificada e hoje existem muitos relatos de bactérias, leveduras e fungos filamentosos presentes nos jardins e no exoesqueleto das formigas Attini. Dentre esses relatos, novas espécies de leveduras foram descritas, Cryptococcus haglerorum, Blastobotrys attinorum e Trichosporon chiarellii, contribuindo para o conhecimento de leveduras conhecidas atualmente. Por outro lado, interessantes associações foram também constatadas, como o caso das leveduras negras classificadas como um quinto simbionte na complexa interação entre formiga-fungo cultivado-Pseudonocardia-Escovopsis. Fungos negros das ordens Chaetothyriales (como Cladophialophora, Phialophora e Exophiala) e Capnodiales (como Cladosporium e Penidiella) também foram observados na cutícula de formigas-cortadeiras do gênero Atta.. A presença desses fungos no ambiente das formigas tem sido considerada de extrema relevância, pois são micro-organismos não comumente isolados do meio ambiente e cujo nicho na natureza ainda é desconhecido, para muitas espécies.O papel de muitos dos fungos negros encontrados nos jardins de fungos e exoesqueleto das formigas Attini ainda não foi esclarecido e estudos adicionais são necessários para uma melhor compreensão da rede de interações envolvida na simbiose das formigas Attini com os diferentes micro-organismos. Neste contexto reside o fundamento desta pesquisa.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
DUARTE, A. P. M.; ATTILI-ANGELIS, D.; BARON, N. C.; GROENEWALD, J. Z.; CROUS, P. W.; PAGNOCCA, F. C. Riding with the ants. PERSOONIA, v. 38, p. 81-99, JUN 2017. Citações Web of Science: 0.
DUARTE, A. P. M.; FERRO, M.; RODRIGUES, A.; BACCI, JR., M.; NAGAMOTO, N. S.; FORTI, L. C.; PAGNOCCA, F. C. Prevalence of the genus Cladosporium on the integument of leaf-cutting ants characterized by 454 pyrosequencing. ANTONIE VAN LEEUWENHOEK INTERNATIONAL JOURNAL OF GENERAL AND MOLECULAR MICROBIOLOGY, v. 109, n. 9, p. 1235-1243, SEP 2016. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.