Busca avançada
Ano de início
Entree

A evolução da migração das aves: a teoria atual se aplica na América do Sul?

Processo: 13/14316-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Apoio a Jovens Pesquisadores
Vigência (Início): 01 de julho de 2013
Vigência (Término): 31 de outubro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia
Pesquisador responsável:Alejandro Edward Jahn
Beneficiário:Alejandro Edward Jahn
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:12/17225-2 - A evolução da migração das aves: a teoria atual se aplica na América do Sul?, AP.JP
Assunto(s):Argentina   Colômbia   Brasil   Cerrado

Resumo

Como a migração das aves evolui? A ciência procura uma resposta a esta questão há décadas, mas a grande maioria das pesquisas tem sido realizadas em latitudes norte-temperadas (Europa e América do Norte), e concentrou-se em um conjunto limitado de traços (por exemplo, a migração vs. residência). Como é que os componentes genéticos, comportamentais e morfológicas da migração evoluir, e evoluem de forma semelhante em todo o planeta? América do Sul oferece uma oportunidade única para responder a esta pergunta. Com >230 espécies, e o lar de um dos maiores sistemas de migração de aves do planeta. Além disso, a América do Sul tem uma diversidade de tipos de migração, incluindo migrações de curta e de longa distância. Finalmente, o continente atravessa latitudes temperadas e tropicais, de modo que os pássaros ali se reproduzem, migram e hibernam em ambientes muito diferentes. A tesourinha (Tyrannus savana) é uma das aves mais comuns da América do Sul, com populações migrantes intra-tropicais, populações migrantes temperadas-tropicais, e populações totalmente residentes. Proponho estudar a evolução da migração das aves, comparando adaptações comportamentais (e.g., velocidade da migração), adaptações relacionados a muda das penas (tempo de muda), adaptações morfométricos (e.g., comprimento da asa) e adaptações funcionais (e.g., carga alar) para a migração da tesourinha, dentro de uma estrutura filogeográfica (comparando as características no contexto de diferenciação genética entre populações). Este será o primeiro estudo a abordar a evolução da migração de aves mediante a comparação simultâneo dos componentes genéticos, morfológicas e comportamentais da migração, numa ampla escala geográfica. Tal abordagem multidisciplinar e integradora promete uma nova perspectiva sobre como as aves desenvolveram as adaptações necessárias para viver uma vida "em movimento".