Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel imunobiológico de adipocinas no melanoma murino experimental

Processo: 13/10318-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2013
Vigência (Término): 07 de julho de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Pesquisador responsável:Niels Olsen Saraiva Câmara
Beneficiário:Felipe Valença Pereira
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:12/02270-2 - Novos mecanismos celulares, moleculares e imunológicos das lesões renais agudas e crônicas: busca por novas estratégias terapêuticas, AP.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):15/21513-1 - Impacto metabólico da metformina na resposta anti-tumoral mediada pelo linfócito T, BE.EP.PD
Assunto(s):Obesidade   Adipocinas   Neoplasias   Inflamação

Resumo

Uma forte correlação entre obesidade e câncer, associado ao aumento da epidemia de obesidade, tem levado a uma previsão no aumento do número de novos casos. A obesidade comumente leva uma produção desregulada de adipocinas, proteínas bioativas secretadas principalmente pelos adipócitos, que induzem os seus efeitos biológicos por ligação a receptores cognatos. Classicamente, o principal papel das adipocinas é ajudar na manutenção da homeostase metabólica, porém, outros papéis desempenhados já demonstrados relacionam-se a sua capacidade em modular a inflamação, angiogênese, proliferação e apoptose. Ciente da função das adipocinas nestes processos, um papel para adipocinas na progressão e metástase do câncer tornou-se aparente. A maioria dos estudos relacionados ao câncer, in vitro e in vivo, tem focado na capacidade das adipocinas em afetar marcadores típicos do processo tumoral incluindo proliferação, evasão de apoptose, migração de células do tumor e invasão, estimulação da angiogênese e a evasão do sistema imune. Contudo, não há consenso na literatura a respeito da atividade das diferentes adipocinas, que muitas vezes possuem efeitos biológicos antagônicos, sobre a resposta imune específica a diferentes tipos de tumores, em especial no melanoma. Desta forma, propomos por meio deste trabalho investigar o papel da obesidade e, especificamente das adipocinas, leptina e adiponectina, no processo de crescimento tumoral e capacidade de colonização pulmonar, com destaque para o papel na modulação da resposta imune antitumoral.