Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo elétrico e mecânico da motilidade colônica sob influencia de colite ulcerativa

Processo: 13/09095-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2013
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biofísica - Biofísica de Processos e Sistemas
Pesquisador responsável:José Ricardo de Arruda Miranda
Beneficiário:Marcos Felipe de Freitas Calabresi
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:10/07639-9 - Motilidade gastrintestinal: investigações clínicas, fisiopatológicas e biofarmacêuticas, AP.TEM
Assunto(s):Eletromiografia   Bioeletromagnetismo   Biosusceptometria de corrente alternada   Colite ulcerativa

Resumo

A colite ulcerativa é uma doença inflamatória intestinal (DII) que atualmente tem aumentado sua incidência, principalmente em países desenvolvidos. De patogênese pouco compreendida, essa doença têm seus principais sintomas, como diarreia e dor abdominal, associados com alterações da motilidade colônica. Esse projeto visa aplicar, de forma inédita, uma instrumentação específica para investigar o comportamento da motilidade colônica em cólons normais e sob influência de colite ulcerativa. As técnicas utilizadas serão a Eletromiografia (EMG), para as medidas da atividade elétrica, e a Biosusceptometria de Corrente Alternada (BAC), para as medidas da atividade mecânica e monitoramento externo de traçador magnético associado à refeição. Os estudos serão desenvolvidos a partir de dois modelos, o humano e o animal, sendo os parâmetros analisados a atividade de contração e o trânsito colônico.No modelo animal, serão utilizados ratos machos linhagem Wistar e a colite será induzida a partir de uma solução de ácido trinitrobenzeno sulfônico (TBNS) via retal. No estudo clínico, os estudos serão realizados a partir de um grupo controle (voluntários) e um grupo de pacientes do Hospital das Clínicas de Botucatu (HCFMB) que possuem colite ulcerativa moderada. Espera-se que os resultados demonstrem as respostas motoras e elétricas desse tipo de doença e seus reflexos na motilidade colônica, bem como as características e influencias da inflamação em diferentes estágios de recuperação. Além disso, este trabalho também terá como resultado a padronização de uma metodologia para avaliação da atividade colônica, a qual é bastante insipiente até o presente. A comparação entre humanos e o modelo animal deverá traçar paralelos onde possam ser construídas pontes para o desenvolvimento de novos tratamentos e terapias, além de um maior entendimento da doença, explorando aspectos pouco estudados que envolvem a fisiopatologia do aumento da motilidade intestinal. Em suma, almeja-se avaliar elétrica e mecanicamente a atividade colônica e o trânsito segmentar do cólon de ratos e, em humanos, avaliar a atividade mecânica colônica e o trânsito segmentar colônico em situação envolvendo colite.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
CALABRESI, MARCOS F. F.; TANIMOTO, ALEXANDRE; PROSPERO, ANDRE G.; MELLO, FABIO P. F.; SOARES, GUILHERME; DI STASI, LUIZ C.; MIRANDA, JOSE R. A. Changes in colonic contractility in response to inflammatory bowel disease: Long-term assessment in a model of TNBS-induced inflammation in rats. Life Sciences, v. 236, NOV 1 2019. Citações Web of Science: 0.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
CALABRESI, Marcos Felipe de Freitas. Evolução dos perfis elétricos e mecânicos da motilidade colônica em modelo animal de doença inflamatória intestinal. 2017. Tese de Doutorado - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Instituto de Biociências (Campus de Botucatu)..

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.