Busca avançada
Ano de início
Entree

Resposta endócrina e ovariana ao tratamento com dispositivos intravaginais de progesterona associados com benzoato de estradiol em éguas

Processo: 13/17669-0
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2014
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Reprodução Animal
Pesquisador responsável:Cezinande de Meira
Beneficiário:Jair Camargo Ferreira
Supervisor no Exterior: Donald Thompson
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Local de pesquisa : Louisiana State University (LSU), Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:12/01627-4 - Relação temporal entre a expressão de fatores angiogênicos, hemodinâmica luteal e perfil hormonal durante a luteólise (completa e parcial) e ao longo das fases pós-luteolítica e de ressurgência do corpo lúteo em éguas, BP.PD
Assunto(s):Endocrinologia   Hormônio luteinizante   Progesterona   Radioimunoensaio

Resumo

Dispositivos intravaginais de progesterona (P4) associados a esteroides, PGF e hCG tem sido utilizados com sucesso no controle do estro e ovulação em vacas, enquanto que terapias com progestágenos são realizadas com o objetivo de mimetizar a fase luteal em éguas. Entretanto, protocolos de sincronização de estro com dispositivos intravaginais de P4 têm apresentado resultados insatisfatórios na espécie equina. A caracterização da concentração plasmática de hormônio luteinizante (LH) e P4 de éguas tratadas com dispositivos intravaginais de P4, associado ou não ao benzoato de estradiol, será importante para o estabelecimento de protocolos hormonais visando melhores resultados na sincronização do estro. Um total 56 éguas será utilizado para avaliar a influência de terapias com progestágenos em estágios distintos do ciclo estral no desenvolvimento folicular e perfil endócrino. Inicialmente, todos os folículos maiores que 6 mm de diâmetro serão aspirados. Em seguida, as éguas serão distribuídas dentro de sete grupos experimentais (n=8 éguas/grupo) de acordo com a terapia hormonal e momento de tratamento. Dois protocolos hormonais serão utilizados: a) Dispositivo intravaginal de progesterona sozinho, e b) associado à 10 mL de benzoato de estradiol. Dispositivos de P4 serão mantidos por 10 dias. Os tratamentos serão realizados em um de três estágios do ciclo estral de acordo com o tamanho do maior folículo em desenvolvimento pós-aspiração (>6mm, >20mm ou >35 mm). Adicionalmente, um grupo de éguas não-tratadas será utilizado como grupo controle. Amostras de sangue serão coletadas a cada 24 horas entre D0 e D10 (D0=dia de inserção do dispositivo de P4) para mensurar a concentração plasmática de LH e P4. Exame ultrassonográfico será realizado diariamente desde o dia da aspiração folicular até a próxima ovulação para determinar a taxa de crescimento folicular e dia de ovulação. (AU)