Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito relaxante do doador de nitroxil sal de Angeli em veia cava de ratos

Processo: 13/15249-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2013
Vigência (Término): 31 de julho de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Cardiorenal
Pesquisador responsável:Lusiane Maria Bendhack
Beneficiário:Fabíola Cristina Zuchi
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Sistema cardiovascular   Veia cava   Óxido nítrico

Resumo

O gás biologicamente ativo, óxido nítrico (NOÏ) é bem reconhecido como um modulador de grande importância para a homeostase vascular, com propriedades vaso-relaxante, antiagregante e antiproliferativa. Curiosamente, o nitroxil (HNO), a forma reduzida em um elétron e protonada do NOÏ está emergindo rapidamente como um novo congênero redox do óxido nítrico, com ações farmacológicas distintas e vantagens terapêuticas sobre o NOÏ. Assim como este último, o HNO pode ser produzido de forma endógena no vaso e tem propriedades vasoprotetoras similares, tais como a capacidade de induzir o relaxamento de vasos, inibir a agregação de plaquetas e inibir a proliferação de células do músculo liso vascular. Porém, ao contrário do NOÏ, o HNO ativa vias de sinalização distintas nos vasos, que incluem a ativação direta de canais para K+ sensíveis à voltagem (Kv) e a liberação do peptídeo relacionado ao gene da calcitonina (CGRP, do inglês calcitonin-gene related peptide). Além disso, o HNO é resistente ao sequestro por ânion superóxido (O2-) e não é susceptível ao desenvolvimento de tolerância (perda do efeito farmacológico e propriedades hemodinâmicas dos nitratos orgânicos após uso contínuo). As ações de HNO vasculares podem ser conservadas em situações patológicas, enquanto que aquelas do NOÏ estão comprometidas (isto é, durante o estresse oxidativo). Assim, doadores de HNO podem oferecer uma alternativa a nitrovasodilatadores tradicionais para o tratamento das doenças cardiovasculares. Nesse contexto, o presente trabalho tem como objetivo estudar o efeito relaxante do nitroxil liberado do composto Sal de Angeli e investigar os mecanismos celulares envolvidos nesse efeito em veia cava de ratos. Curvas de relaxamento concentração-efeito serão realizadas para o doador de HNO, Sal de Angeli, em preparações de veia cava de ratos com endotélio, contraídas com fenilefrina. Os sequestradores de espécies de NO, hidroxicobalamina e L-cisteína, serão utilizados para estudar o envolvimento das espécies radicalar e nitroxil do óxido nítrico, respectivamente, no relaxamento. Bloqueadores de canais iônicos TEA e nifedipina serão utilizados para avaliar a participação dos canais iônicos para K+ e Ca2+ no relaxamento. A atividade das enzimas NO-sintase, Guanilil-ciclase solúvel (sGC), proteína quinase G, Superóxido Dismutase, fosfodiesterase 5, Ca2+-ATPase reticular (SERCA), serão avaliadas por seus respectivos inibidores L-NAME, ODQ, Rp-8-Br-PET-cGMP (8-Br-PET), DDC, sildenafil, tapsigargina. Por microscopia confocal será avaliada a liberação de HNO/NO, ação antioxidante do HNO e concentração citosólica de cálcio em células endoteliais derivadas da veia do cordão umbilical humanas. Avaliaremos também a atividade da sGC pela medida de cGMP formado utilizando kit de Elisa Imuno-Ensaio.

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
ZUCHI, Fabíola Cristina. Efeito relaxante do doador de nitroxil (sal de Angeli) em veia cava de ratos. 2015. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto Ribeirão Preto.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.