Busca avançada
Ano de início
Entree

Interação entre auxina e a família gênica do florígeno no controle da arquitetura e produtividade de tomateiro (Solanum lycopersicum l.)

Processo: 13/11541-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2013
Vigência (Término): 27 de maio de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Pesquisador responsável:Lázaro Eustaquio Pereira Peres
Beneficiário:Agustín Zsogon
Instituição-sede: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Assunto(s):Tomateiro   Desenvolvimento   Florígeno   Produtividade

Resumo

A arquitetura vegetal, ou a organização tridimensional do corpo da planta, influencia a maneira em que as plantas crescem e respondem ao ambiente. A compreensão da base molecular da arquitetura das plantas é fundamental para fornecer novas ferramentas e continuar a fazer progresso no melhoramento vegetal. A arquitetura das plantas pode influenciar a produtividade ao alterar a quantidade de biomassa relativa entre os órgãos vegetativos e reprodutivos, o posicionamento dos frutos na planta e a sua facilidade de colheita. Em tomateiro, um alelo recessivo do gene SELF-PRUNING (SP) confere a terminação acelerada das unidades simpodiais da planta através da formação de uma inflorescência, resultando em um crescimento limitado do caule, uma constituição compacta e frutificação quase completamente homogênea. A introdução desta mutação nas cultivares comerciais de tomateiro foi a característica genética mais importante no desenvolvimento das técnicas agrícolas para esta cultura, pois o hábito de crescimento "determinado" permitiu a colheita mecânica e simultânea. O gene SP é parte de uma família (chamados de genes CETS) com seis integrantes, sendo um deles, o SINGLE FLOWER TRUSS (SFT), gerador de um sinal proteico móvel que induz o florescimento, sendo considerado o hormônio "florígeno". Este projeto visa explorar a função do hormônio vegetal auxina na expressão da família CETS aproveitando as vantagens, como modelo genético, da cultivar Micro-Tom de tomateiro e a variação genética natural existente em espécies selvagens aparentadas com o tomateiro. Para tanto, linhas com diferentes alelos dos genes da família CETS serão geradas e cruzadas com outras linhas relevantes para o estudo da auxina, tanto mutantes com perda de função quanto linhas com marcadores visuais da expressão de genes de resposta a auxina. O hábito de crescimento, produtividade e resposta a auxina serão avaliados nos duplos mutantes para estabelecer uma possível ligação funcional entre auxina, genes da família CETS e arquitetura vegetal.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
SILVA, WILLIAN B.; VICENTE, MATEUS H.; ROBLEDO, JESSENIA M.; REARTES, DIEGO S.; FERRARI, RENATA C.; BIANCHETTI, RICARDO; ARAUJO, WAGNER L.; FRESCHI, LUCIANO; PERES, LAZARO E. P.; ZSOGON, AGUSTIN. SELF-PRUNING Acts Synergistically with DIAGEOTROPICA to Guide Auxin Responses and Proper Growth Form. Plant Physiology, v. 176, n. 4, p. 2904-2916, APR 2018. Citações Web of Science: 6.
VICENTE, MATEUS HENRIQUE; ZSOEGOEN, AGUSTIN; LOPO DE SA, ARIADNE FELICIO; RIBEIRO, RAFAEL V.; PERES, LAZAR E. P. Semi-determinate growth habit adjusts the vegetative-to-reproductive balance and increases productivity and water-use efficiency in tomato (Solanum lycopersicum). Journal of Plant Physiology, v. 177, p. 11-19, APR 1 2015. Citações Web of Science: 12.
ZSOEGOEN, AGUSTIN; ALVES NEGRINI, ANA CLARISSA; PEREIRA PERES, LAZARO EUSTAQUIO; NGUYEN, HOA THI; BALL, MARILYN C. A mutation that eliminates bundle sheath extensions reduces leaf hydraulic conductance, stomatal conductance and assimilation rates in tomato (Solanum lycopersicum). NEW PHYTOLOGIST, v. 205, n. 2, p. 618-626, JAN 2015. Citações Web of Science: 17.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.