Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo das variações florais e da inflorescência em Phyllanthaceae, Picrodendraceae, Putranjivaceae e Euphorbiaceae: anatomia e desenvolvimento

Processo: 13/10518-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2013
Vigência (Término): 30 de abril de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Morfologia Vegetal
Pesquisador responsável:Diego Demarco
Beneficiário:Thália Do Socorro Serra Gama
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Anatomia vegetal   Floração   Histoquímica

Resumo

As Euphorbiaceae s.l. distribuem-se especialmente nos trópicos, nos mais variados tipos de vegetação e habitats, sendo uma das maiores, mais complexas e diversificadas famílias das Angiospermas. Sua classificação, durante muito tempo, foi discutida entre diversos autores e, atualmente, as análises filogenéticas, comprovaram seu polifiletismo, dando suporte ao desmembramento em cinco famílias distintas: Phyllanthaceae, Picrodendraceae, Putranjivaceae, Pandaceae e Euphorbiaceae s.s.. Embora essas famílias tenham sido segregadas, elas ainda estão intimamente relacionadas umas às outras, especialmente quando se trata de estrutura floral, sendo esta uma das principais razões para as divergências em sua classificação. Estruturas secretoras diversas são encontradas nessas famílias e as espécies são polinizadas principalmente por insetos, pássaros, morcegos e outros mamíferos. Considerando as alterações evolutivas das flores, o objetivo deste trabalho é analisar os diferentes graus de variação floral, com ênfase na atividade dos meristemas (padrões de divisão, expansão e diferenciação celular) juntamente com os fatores ontogenéticos (diferenças quanto à formação de primórdios), a fim de entender a evolução floral nos grupos e os processos de adaptação em conjunto com as alterações evolutivas. Aliado a esta diversidade, tem-se a importância das estruturas secretoras na manutenção da recompensa ao polinizador e, portanto, o objetivo deste trabalho é complementado com o estudo morfoanatômico destas estruturas e análise histoquímica de seus exsudatos. Botões florais e flores em diversos estágios de desenvolvimento serão coletados em diferentes localidades dos Estados de São Paulo, Pará e Espírito Santo e as espécies identificadas por especialista. O material será fixado, desidratado em série alcoólica, incluído em parafina, seccionado em micrótomo rotativo e as lâminas coradas segundo técnicas convencionais, além da análise em MEV e em microscopia confocal para auxiliar na investigação da ontogênese floral e MET para comparar o tecido nectarífero de cada espécie. O conhecimento morfoanatômico de órgãos reprodutivos, estruturas secretoras e o desenvolvimento floral fornecem subsídios para a compreensão da evolução dos grupos vegetais, incluindo as relações filogenéticas entre eles.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
SERRA GAMA, THALIA DO SOCORRO; CORDEIRO, INES; DEMARCO, DIEGO. Floral structure and development in Alchornea sidifolia (Acalyphoideae) and the evolution of wind pollination in Euphorbiaceae. Rev. bras. Bot., v. 42, n. 2, p. 307-317, JUN 2019. Citações Web of Science: 0.
GAMA, THALIA S. S.; CORDEIRO, INES; DEMARCO, DIEGO. FLORAL STRUCTURE AND DEVELOPMENT REVEAL PRESENCE OF PETALS IN PHYLLANTHUS L. (PHYLLANTHACEAE). INTERNATIONAL JOURNAL OF PLANT SCIENCES, v. 177, n. 9, p. 749-759, NOV-DEC 2016. Citações Web of Science: 2.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
GAMA, Thália Do Socorro Serra. Anatomia floral e desenvolvimento em espécies de Phyllanthaceae, Picrodendraceae, Euphorbiaceae e Pandaceae. 2017. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Biociências São Paulo.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.