Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel dos receptores NOD1 e NOD2 no controle da infecção por Leishmania (L.) major

Processo: 13/15994-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2013
Vigência (Término): 31 de outubro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Pesquisador responsável:Dario Simões Zamboni
Beneficiário:Djalma de Souza Lima Júnior
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/08216-2 - CPDI - Centro de Pesquisa em Doenças Inflamatórias, AP.CEPID
Assunto(s):Autofagia   Leishmania

Resumo

A leishmaniose constitui um espectro de doenças causadas por protozoários do gênero Leishmania, que compreende várias espécies, responsáveis por diferentes formas da doença. No Brasil, a mais comum é a leishmaniose tegumentar americana (LTA), encontrada praticamente em todo o território nacional. A proteção à doença está relacionada principalmente com a montagem de uma resposta imune de padrão Th1, com produção de IFN-³, que ativa macrófagos induzindo a síntese de óxido nítrico (NO), facilitando a eliminação dos parasitos intracelulares. A participação de receptores de reconhecimento padrão da imunidade inata, como os receptores do tipo toll (TLR - Toll-like receptors) e os receptores do tipo NOD (NLR - Nod-like receptors), na indução eficaz de resposta imune Th1 é de extrema importância. Diversos trabalhos tem demonstrado a importância dos receptores do tipo Toll na indução de uma resposta imune eficiente contra parasitos do gênero Leishmania. No entanto, na ausência desses receptores ainda observa-se a indução de uma resposta pró-inflamatória e controle da infecção por Leishmania, sugerindo a participação de outros receptores da imunidade inata na montagem de uma resposta imune protetora contra esse parasito. Receptores do tipo Nod, tais como Nod1 e Nod2, estão associados com o reconhecimento de diversas classes de patógenos e ativação da resposta imune. Porém, até o momento nada foi descrito sobre a importância desses receptores no reconhecimento e controle da infecção provocada por parasitos do gênero Leishmania. Recentemente, foi observado o envolvimento dos receptores NLRs na indução de autofagia em resposta a infecção por bactérias intracelulares. Dados da literatura e do nosso laboratório (ainda não publicados) demonstram que parasitos do gênero Leishmania induzem autofagia e que essa indução depende da ativação da via Nod/Rip2. Além das já conhecidas funções da autofagia, estudos tem demonstrado que esse processo está diretamente relacionado com a apresentação antigênica e consequente ativação de linfócitos T. Neste contexto, este trabalho tem como objetivo avaliar o papel dos receptores Nod1 e Nod2 bem como de sua molécula adaptadora Rip2 no controle da infecção induzida por L. major e investigar a papel dessas vias de sinalização na indução da resposta imune adaptativa durante a infecção por esse parasito. Adicionalmente, pretendemos analisar o papel de Nod1 e Nod2 na apresentação antigênica, dependente do processo autofágico, durante a infecção por L. major. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Cinco doutorados realizados com apoio da FAPESP receberão Prêmio Capes de Tese 

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
LIMA-JUNIOR, DJALMA S.; MINEO, TIAGO W. P.; CALICH, VERA L. G.; ZAMBONI, DARIO S. Dectin-1 Activation during Leishmania amazonensis Phagocytosis Prompts Syk-Dependent Reactive Oxygen Species Production To Trigger Inflammasome Assembly and Restriction of Parasite Replication. JOURNAL OF IMMUNOLOGY, v. 199, n. 6, p. 2055-2068, SEP 15 2017. Citações Web of Science: 16.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.