Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo do uso de SmTNFR como antígeno para diagnostico sorológico da esquistossomose

Processo: 13/18748-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2013
Vigência (Término): 31 de agosto de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Helmintologia de Parasitos
Pesquisador responsável:Katia Cristina Pereira Oliveira Santos
Beneficiário:Paola Pereira Guedes
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:12/50115-6 - Estudo das vias de transdução de sinal em Schistosoma mansoni e sua relevância na interação parasita-hospedeiro (schisto-sig), AP.JP
Assunto(s):Schistosoma mansoni   Receptores   Western blotting   Resposta imune   Anticorpos

Resumo

O receptor SmTNFR é uma molécula de sinalização que compõe a via de transdução de sinal do TNF-alfa que postulamos ser conservada no parasita Schistosoma mansoni de forma semelhante a via de sinalização dos mamíferos. Seu maior nível de expressão no parasita é em cercarias, fase infectante para o hospedeiro vertebrado, e em vermes adultos [1], além disso, experimentos preliminares mostraram que o receptor está localizado na superfície do S. mansoni. Este conjunto de dados sugere que esta molécula pode ter um grande potencial imunogênico nos hospedeiros vertebrados do parasita. Atualmente o diagnóstico sorológico da esquistossomose é realizado pela técnica de imunofluorescência indireta em cortes parafinados de parasitas; assim, o desenvolvimento de um teste tipo ELISA (Enzyme-linked immunosorbent assay) auxiliaria e seria uma ferramenta diferencial no diagnóstico da doença, especialmente nos casos onde a detecção de ovos é limitada por infecções com baixa carga parasitária ou infecções unissexuais [2, 3].Neste contexto, este projeto visa avaliar a imunogenicidade do receptor SmTNFR em amostras de soros de camundongos e pacientes infectados com o parasita a fim de verificar sua potencial utilização no diagnósticos sorológico da esquistossomose.O Instituto Adolfo Lutz é referencia no diagnóstico da esquistossomose e, além de receber as amostras de pacientes infectados, mantêm o ciclo do parasita utilizando como hospedeiro definitivo hamsters ou camundongos. Assim, contando com a expertise dos profissionais do núcleo de enteroparasitas, pretendemos montar uma coleção de soros de camundongos cuja infecção foi acompanhada semanalmente a fim de caracterizar o perfil imunogênico do SmTNFR ao longo do desenvolvimento da infecção. Após esta caracterização em modelo experimental pretendemos utilizar um painel de soros de pacientes positivos para esquistossomose e um painel de soros negativos (controles) para avaliar o potencial do SmTNFR para diagnóstico sorológico, de forma semelhante ao estudo descrito por Wang e colaboradores [4]. Caso seja constatada da imunogenicidade da molécula pretendemos padronizar um ensaio de ELISA para avalia-lo como alternativa para o diagnóstico da doença.Bibliografia1.Oliveira, K.C., et al., Identification of the Schistosoma mansoni TNF-alpha receptor gene and the effect of human TNF-alpha on the parasite gene expression profile. PLoS Negl Trop Dis, 2009. 3(12): p. e556.2.Saúde, M.d., Guia de vigilância Epidemiológica, 2005.3.Saúde, M.d., Casos confirmados de esquistossomose no Brasil, 2008.4.Wang, J., et al., Monitoring specific antibody responses against the hydrophilic domain of the 23 kDa membrane protein of Schistosoma japonicum for early detection of infection in sentinel mice. Parasit Vectors, 2011. 4(1): p. 172.