Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo de fatores celulares e virais envolvidos no tráfego da glicoproteína gp41 do HIV-1

Processo: 13/13878-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2013
Vigência (Término): 30 de setembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Pesquisador responsável:Luis Lamberti Pinto da Silva
Beneficiário:Mara Elisama da Silva Januário
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Exocitose   Complexo de Golgi   HIV   Clatrina

Resumo

O Vírus da Imunodeficiência Humana do tipo 1 (HIV-1) leva a progressiva debilitação do sistema imunológico do indivíduo infectado, culminando na Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS), doença que afeta atualmente mais de 30 milhões de pessoas no mundo. A infecção pelo HIV-1 inicia-se com a fusão entre o envelope viral e a membrana plasmática da célula hospedeira permitindo a entrada do capsídeo contendo o RNA genômico viral no citoplasma. Esse evento de fusão de membranas, crucial para a infecção, é mediado pela ação de um complexo de glicoproteínas do envelope viral denominado Env. Essas glicoproteínas são sintetizadas no retículo endoplasmático na forma de um precursor, gp160, o qual é processado por proteases do hospedeiro durante seu itinerário na via secretória. O processamento de gp160 resulta em duas glicoproteínas: uma de superfície (gp120) e uma transmembrana (gp41), as quais permanecem associadas por interações não covalentes. Além de ancorar o complexo gp41/gp120 a membranas, gp41 contém em sua cauda citosólica a informação necessária para o direcionamento do complexo Env na via secretória. A correta incorporação de Env em partículas virais nascentes é essencial para a produção de vírus capazes de infectar novas células. Tanto a membrana plasmática como compartimentos endossomais têm sido apontados como sítios de montagem viral. Entretanto, os mecanismos que controlam o direcionamento de Env para esses sítios são apenas parcialmente entendidos. O presente projeto tem como objetivos caracterizar sinais de direcionamento na cauda citosólica (CT) de gp41 e identificar componentes da maquinaria de tráfego de proteínas envolvidos nesse processo. Especificamente, iremos mapear o motivo de interação com AP-1, presente na CT de gp41, e verificar o envolvimento de AP-1, Arf-1p e clatrina no tráfego de gp41. Este estudo auxiliará no esclarecimento dos papéis sugeridos para adaptadores de clatrina no tráfego de gp41, contribuindo para o melhor entendimento de um processo de fundamental importância no ciclo de replicação viral.