Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos da aplicação de um protocolo de fadiga na cinemática do tronco e do membro inferior durante a aterrissagem de um salto unipodal - comparação entre gêneros

Processo: 13/15606-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2013
Vigência (Término): 31 de outubro de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Fábio Viadanna Serrão
Beneficiário:Luis Fylipe Batista
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Fadiga   Cinemática

Resumo

Uma das lesões mais comuns durante a prática esportiva é a ruptura do ligamento cruzado anterior (LCA). As mulheres são de quatro a seis vezes mais propensas a romper o LCA em relação aos homens, quando comparados na pratica de uma mesma atividade esportiva. O excessivo valgo dinâmico do joelho (abdução do joelho e adução e rotação medial do quadril), principalmente durante as aterrissagens de saltos unipodais, tem sido considerado como um importante mecanismo de lesão do LCA. A posição de articulações proximais ao joelho tais como o quadril e tronco pode resultar em excessivo valgo dinâmico do joelho. Outro fator de risco para lesão do LCA é a fadiga muscular. A fadiga causa alterações biomecânicas, perdas de desempenho dos membros inferiores, que podem aumentar o risco de lesão do LCA durante a aterrissagem de saltos. Assim, o objetivo do presente estudo é comparar, entre homens e mulheres, o efeito de um protocolo de fadiga na cinemática do plano frontal do tronco, quadril e joelho durante a aterrissagem de um salto unipodal. Participarão do estudo 10 homens e 10 mulheres ativos e sadios, com idade entre 18 e 30 anos. Será realizada uma análise cinemática das articulações do tronco, quadril e joelho do membro dominante dos voluntários durante um salto unipodal de uma altura de 31cm, antes e após a aplicação de um protocolo de fadiga. O protocolo de fadiga incluirá séries de 10 agachamentos, 2 saltos verticais máximos e 20 subidas e descidas de degrau. Serão analisados o pico de adução/abdução do joelho e quadril e o pico de inclinação ipsilateral/contralateral do tronco, antes e após a aplicação do protocolo de fadiga. Para a comparação das variáveis cinemáticas antes e após aplicação do protocolo de fadiga e para verificação da interação entre os sexos será aplicado o teste ANOVA - two way (modelo misto) para medidas repetidas. Para todas as comparações será considerado um nível de significância de 5%.