Busca avançada
Ano de início
Entree

Proporção e iluminação natural nos edifícios - Avaliação do uso da Seção Áurea como ferramenta auxiliar para o desenho arquitetônico.

Processo: 13/16615-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2013
Vigência (Término): 30 de novembro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Arquitetura e Urbanismo - Tecnologia de Arquitetura e Urbanismo
Pesquisador responsável:Paulo Sergio Scarazzato
Beneficiário:Juliano Coronato Beraldo
Instituição-sede: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Energia   Iluminação natural   Arquitetura   Eficiência

Resumo

As proporções harmônicas, ao longo da história da arquitetura, foram consideradas capazes de atribuir beleza e qualidade plástica aos edifícios. Com esta pesquisa, propõe-se investigar se estas relações de proporção são também capazes de resultar em um aproveitamento da iluminação natural mais eficiente. Devido à sua importância no balanço energético dos edifícios, tanto por ser uma condicionante por si mesma quanto por ser um fator do cálculo do comportamento térmico, a iluminação natural se apresenta como o campo lógico e adequado para a realização deste estudo.Fazendo-se uso do conhecimento existente, por meio da utilização de um método de análise do aproveitamento da luz natural nos edifícios estabelecido e aceito pela comunidade científica como adequado à investigação pretendida, simular-se-á um estudo de caso que tenha sido previamente objeto de monitoramento do seu comportamento quanto à iluminação natural. Após a calibração do modelo com o caso real, realizar-se-ão alterações na forma do modelo de acordo com um padrão de proporção harmônica, seguido de respectivas simulações dinâmicas. Os resultados serão comparados e analisados para se atingir a finalidade da pesquisa.Este estudo pode representar um avanço na direção de uma re-aproximação, no que se refere à abordagem do projeto de edifícios energeticamente eficientes, dos princípios que historicamente estão associados como capazes de agregar qualidade plástica à arquitetura com as necessidades atuais de uma concepção funcional, forjada por preocupações quantitativas e de desempenho, presentes nas exigências das normas e selos de avaliações do comportamento energético do edifício.