Busca avançada
Ano de início
Entree

Processo-s em estrelas extremamente pobres em metais

Processo: 13/16924-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2013
Vigência (Término): 31 de outubro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Astronomia - Astrofísica Estelar
Pesquisador responsável:Silvia Cristina Fernandes Rossi
Beneficiário:Monique Alves Cruz
Instituição-sede: Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:10/50930-6 - Evolução química e populações estelares galácticas e extragalácticas, por espectroscopia e imageamento, AP.TEM
Assunto(s):Evolução estelar   Estrelas pobres em metais

Resumo

Estrelas de baixa metalicidade trazem em suas atmosferas informações sobre os processos nucleossintéticos ocorridos durante os estágios primordiais da nossa Galáxia. Desde o advento dos surveys de baixa e média resolução, estrelas pobres em metais vêm sendo catalogadas e analisadas em detalhe. Medidas em alta resolução das abundâncias de diversos elementos em tais estrelas mostraram que esses objetos são extremamente complexos, podendo ser divididos em diversas subcategorias sob o ponto de vista do enriquecimento químico. Dentre elas, as estrelas que possuem um alto enriquecimento em carbono têm sido objeto de intenso estudo nos últimos anos. A origem do excesso de carbono em tais estrelas não é um consenso entre os diferentes estudos, porém, o cenário mais promissor parece envolver transferência de massa de uma estrela mais massiva (na fase AGB) para a estrela observada hoje em dia. No que diz respeito à modelagem, poucos modelos detalhados de nucleossíntese para a fase AGB, fase esta na qual o carbono e os elementos s são formados, são encontrados na literatura. A maior parte dos modelos para essa fase concentram-se em metalicidades acima de [Fe/H]>-2.5, onde o processo-s ocorre de forma radiativa e é altamente dependente da formação do bolsão de ^{13}C (Bisterzo et al. 2011,Lugaro et al. 2012).Outro cenário possível, sugerido por Suda ET AL. 2004, para explicar a origem do carbono e dos elementos {\it s} nas estrelas carbonadas, envolve a fase AGB de estrelas com metalicidades [Fe/H]<-2.5. Nesse regime de metalicidades, processos extras de mistura ocorrem durante o início da fase AGB, de forma que, o processo-s ocorre dentro da zona convectiva. Nesse caso, a densidade de nêutrons é muito maior do que a observada no bolsão de ^{13}C e pode dar origem a uma grande quantidade de elementos s logo no come\c co do AGB. Entretanto, como explicado acima, modelos de evolução e nucleossíntese para a fase AGB para metalicidades [Fe/H]<-2.5 não estão disponíveis na literatura. Sendo assim, o presente projeto tem como objetivo produzir modelos AGB para o regime de metalicidades onde o processo-s ocorre de forma convectiva. Dessa forma, será possível quantificar a contribuição dessas estrelas para o processo-s ocorrido nos primórdios da Galáxia. Para isso, produziremos uma grade de modelos AGB usando o código de evolução estelar GARSTEC (Weiss ET AL 2008) e o código de processo-s produzido pela candidata durante o doutorado. Investigaremos, também, a influência das principais fontes de incerteza nos modelos evolutivos de estrelas AGB: convecção, perda de massa e opacidades.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
CRUZ, MONIQUE A.; COGO-MOREIRA, HUGO; ROSSI, SILVIA. Searching for chemical classes among metal-poor stars using medium-resolution spectroscopy. Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, v. 475, n. 4, p. 4781-4793, APR 2018. Citações Web of Science: 3.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.