Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudos experimentais do efeito do di-n-butil ftalato e do mono-(2-etilhexil) ftalato sobre o desenvolvimento testicular de roedores

Processo: 13/19591-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2013
Vigência (Término): 04 de maio de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Pesquisador responsável:Rejane Maira Góes
Beneficiário:Caroline Maria Christante
Instituição-sede: Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (IBILCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José do Rio Preto. São José do Rio Preto , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):16/10381-0 - Efeitos do ácido docosahexaenóico individualmente ou em combinação com éster de ftalato no testículo fetal de camundongo, BE.EP.DR
Assunto(s):Células germinativas   Testículo   Desenvolvimento animal

Resumo

O desenvolvimento pós-natal dos testículos envolve a proliferação e a diferenciação de três tipos celulares: as células de Sertoli, as células de Leydig adultas e as células germinativas. Os gonócitos são os precursores das células germinativas masculinas, encontrados durante o período fetal e neonatal. Sua diferenciação neonatal é fundamental para a função reprodutora e envolve retomada da atividade proliferativa, movimentação para a base do epitélio seminífero e diferenciação em espermatogônia. Estudos têm revelado que essas células são alvos diretos de andrógenos endógenos e de desreguladores endócrinos que agem como antiandrógenos. O di-n-butil ftalato (DBP) é um exemplo de desregulador endócrino capaz de provocar uma iniciação inapropriada da divisão celular e o aumento no número de células de Leydig, devido à diminuição dos níveis de testosterona no testículo fetal. Embora no período fetal a atividade proliferativa dos gonócitos seja andrógeno-dependente, existem evidências que a sensibilidade androgênica seja perdida na transição para a espermatogônia. Também existem evidências da ação antiandrogênica do DBP no testículo de outros roedores, mas isso permanece desconhecido para o gerbilo da Mongólia. Esse estudo objetiva avaliar se a exposição gestacional ao di-n-butil ftalato interfere no desenvolvimento pós-natal do testículo do gerbilo da Mongólia, em particular nos gonócitos. Serão utilizados filhotes machos de mães normais e tratadas com DBP nas idades 1, 7, 14, 28 e 35 dias pós-parto (n=12 por grupo). O DBP será administrado, por gavagem, em uma concentração de 100mg/Kg/dia, do dia gestacional 8 ao 24. Os testículos serão processados para microscopia de luz e, com base em métodos morfométricos e estereológicos, será avaliado o número total de gonócitos dos neonatos e o volume dos principais componentes teciduais desse órgão. Também será examinada a cinética de proliferação e morte dos gonócitos, tendo como base testes imunocitoquímicos para o antígeno nuclear de proliferação celular (PCNA) e para a proteína VASA, e o método do TUNEL. Serão analisadas as variações nos níveis plasmáticos dos esteroides sexuais e a expressão testicular de receptores de andrógeno (AR), receptor de estrógeno ± (ER±) e da enzima 17²-hidroxiesteróide desidrogenase (17²-HSD). A presente proposta ampliará o conhecimento sobre os mecanismos relacionados à diferenciação neonatal dos gonócitos, em situações de alteração no ambiente esteroidal intrauterino, em decorrência da exposição ao ftalato. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
CHRISTANTE, C. M.; PINTO-FOCHI, M. E.; NEGRIN, A. C.; TABOGA, S. R.; GOES, R. M. Effects of gestational exposure to di-n-butyl phthalate and mineral oil on testis development of the Mongolian gerbil. REPRODUCTION FERTILITY AND DEVELOPMENT, v. 30, n. 12, p. 1604-1615, OCT 2018. Citações Web of Science: 0.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.