Busca avançada
Ano de início
Entree

Morfologia e evolução de laticíferos em Moraceae

Processo: 13/21794-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2014
Vigência (Término): 30 de setembro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Morfologia Vegetal
Pesquisador responsável:Simone de Pádua Teixeira
Beneficiário:Cristina Ribeiro Marinho
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):16/11647-3 - Estudo comparativo dos terpenos voláteis presentes no látex de espécies de Moraceae, BE.EP.PD
Assunto(s):Anatomia vegetal   Ultraestrutura   Floração   Citoquímica   Anatomia

Resumo

Laticíferos são células especializadas na secreção de látex, uma suspensão de várias partículas dispersas em um líquido com índice de refração diferenciado. Morfologicamente, os laticíferos são divididos em quatro tipos: não articulados não ramificados, não articulados ramificados, articulados não anastomosados e articulados anastomosados. Em Moraceae os laticíferos são considerados uma sinapomorfia e, apesar de alguns estudos anatômicos apontarem uma diversidade de tipos desta estrutura na família, eles são classificados de forma geral como não articulados e ramificados. A escassez de estudos ontogenéticos dos laticíferos na família provavelmente levou à sua classificação errônea nas espécies. Além disso, como a mais recente filogenia de Moraceae estabeleceu de forma mais clara a relação entre suas tribos, a família constitui um bom modelo para contribuir com o conhecimento tanto da anatomia quanto da evolução dos laticíferos, visto que são raros os estudos de evolução de estruturas secretoras. Dessa forma, este trabalho tem como objetivos principais: (1) estudar a anatomia e o desenvolvimento de laticíferos em espécies pertencentes às seis tribos da família Moraceae; (2) identificar a ação de pectinases e celulases na formação da parede do laticífero em duas espécies; e (3) traçar a evolução desta estrutura secretora no grupo. Para tal, meristemas apicais reprodutivos de nove espécies da família Moraceae abrangendo as seis tribos serão coletados, fixados em Karnovsky e processados para análises em microscopia de luz. Duas espécies serão escolhidas para análises citoquímicas em microscopia eletrônica de transmissão. Uma matriz de caracteres dos laticíferos será elaborada.

Publicações científicas (5)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MARINHO, CRISTINA RIBEIRO; TEIXEIRA, SIMONE PADUA. Cellulases and pectinases act together on the development of articulated laticifers in Ficus montana and Maclura tinctoria (Moraceae). PROTOPLASMA, v. 256, n. 4, p. 1093-1107, JUL 2019. Citações Web of Science: 0.
MARINHO, CRISTINA R.; TEIXEIRA, SIMONE P. Novel reports of laticifers in Moraceae and Urticaceae: revisiting synapomorphies. PLANT SYSTEMATICS AND EVOLUTION, v. 305, n. 1, p. 13-31, JAN 2019. Citações Web of Science: 2.
MARINHO, CRISTINA RIBEIRO; SANTINELO PEREIRA, RODRIGO AUGUSTO; PENG, YAN-QIONG; TEIXEIRA, SIMONE PADUA. Laticifer distribution in fig inflorescence and its potential role in the fig-fig wasp mutualism. ACTA OECOLOGICA-INTERNATIONAL JOURNAL OF ECOLOGY, v. 90, n. SI, p. 160-167, JUL 2018. Citações Web of Science: 5.
BRUNA NOCE SCHNETZLER; SIMONE PÁDUA TEIXEIRA; AND CRISTINA RIBEIRO MARINHO. Trichomes that secrete substances of a mixed nature in the vegetative and reproductive organs of some species of Moraceae. Acta Botanica Brasilica, v. 31, n. 3, p. 392-402, Set. 2017. Citações Web of Science: 4.
SOUZA, CAMILA D.; PEREIRA, RODRIGO A. S.; MARINHO, CRISTINA R.; KJELLBERG, FINN; TEIXEIRA, SIMONE P. Diversity of fig glands is associated with nursery mutualism in fig trees. AMERICAN JOURNAL OF BOTANY, v. 102, n. 10, p. 1564-1577, OCT 2015. Citações Web of Science: 8.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.