Busca avançada
Ano de início
Entree

Irrigação e adubação nitrogenada no cultivo e qualidade do óleo do pinhão-manso

Processo: 13/14778-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2014
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Engenharia Agrícola - Engenharia de Água e Solo
Pesquisador responsável:Marcos Vinícius Folegatti
Beneficiário:Irineu Pedro de Sousa Andrade
Instituição-sede: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Assunto(s):Biocombustíveis   Manejo da irrigação

Resumo

Com a escassez iminente dos combustíveis fósseis e uma possível crise energética mundial, fontes alternativas de energia tem sido temas de estudos para suprir a necessidade primária de energia no mundo. O biodiesel pode ser usado para geração de energia em substituição ao óleo diesel e ao óleo combustível e com isso, muitas espécies oleaginosas tem sido estudadas para esse fim. O pinhão-manso (Jatropha curcas L.) é uma espécie da família Euforbiácea que tem se destacado por ser uma planta perene, rústica e com elevada produção de óleo. O conhecimento dos efeitos da irrigação e da fertilização nitrogenada no seu cultivo se tornam relevantes para um melhor manejo dessa cultura. Este estudo teve como objetivo principal avaliar os efeitos dos diferentes níveis de adubação nitrogenada e da irrigação na produtividade, crescimento vegetativo e qualidade de óleo no cultivo do pinhão-manso. O experimento foi conduzido na área experimental do Departamento de Engenharia de Biossistemas da ESALQ/USP, em Piracicaba-SP. Os estudos foram realizados nos anos agrícolas de 2013/2014 e 2014/2015, com plantas a partir do terceiro ano de cultivo e dispostas em espaçamento 3 x 4 m, totalizando 833 plantas ha-1. Os tratamentos foram dispostos aleatoriamente em duas áreas de cultivo com blocos compostos de quatros repetições sendo os fatores constituídos de dois manejos hídricos (irrigado e sem irrigação) e quatro doses de adubação nitrogenada a partir da sua recomendação de adubação (150%, 100%, 50% e 0% de N). Cada área de cultivo era composta pelo tipo de manejo hídrico adotado e a análise dos dados foi feita de forma conjunta como análise de grupos de experimentos. A irrigação e as doses de N tiveram influência positiva nas variáveis de crescimento como altura, diâmetro e volume de copa. O índice de área foliar apresentou boa resposta quanto o aumento das doses de N, entretanto, apresentou os menores valores nos tratamentos irrigados. Todos os teores de clorofila avaliados obtiveram os maiores valores com a prática da irrigação e com as maiores doses de N aplicada, mas apesar dessa diferença, todos os tratamentos aplicados apresentaram baixa correlação com o teor de N foliar. A produtividade de sementes e óleo de pinhão-manso também responderam de forma positiva aos tratamentos aplicados chegando até a triplicar os seus valores com a prática de irrigação e da adubação de N. O teor de óleo por sua vez, não obteve variação dos tratamentos quanto ao seu conteúdo intrínseco por unidade de massa de sementes, e apenas o fator manejo hídrico influenciou nos valores de alguns índices de qualidade de óleo, como acidez, iodo, peróxido e estabilidade oxidativa, onde os tratamentos irrigados, apresentaram de uma forma geral, os melhores resultados. Com isso, conclui-se que mesmo sendo adaptado a condições adversas de clima e solo, o pinhão-manso responde bem a prática da irrigação e da adubação nitrogenada, aumentando a sua produtividade, melhorando o seu desenvolvimento vegetativo e qualidade de óleo para a produção de biodiesel.

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
ANDRADE, Irineu Pedro de Sousa. Influência da irrigação e da adubação nitrogenada na produção e qualidade do óleo das sementes de pinhão-manso. 2016. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Piracicaba.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.