Busca avançada
Ano de início
Entree

Transplante intrahipocampal dè células-tronco mesenquimais Èm camundongos epilépticos induzidos pôr ácido caínico

Processo: 13/22059-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2014
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Beatriz de Oliveira Monteiro
Beneficiário:Natália Staut Pinhal
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Neurofisiologia   Células-tronco   Hipocampo   Epilepsia

Resumo

A epilepsia representa um grupo de desordens que se manifestam por crises convulsivas espontâneas e recorrentes. Muitos pacientes com epilepsia tornam-se resistentes ao uso de antiepilépticos, sendo necessário descobrir novas abordagens terapêuticas. O intuito deste projeto é avaliar como camundongos epilépticos induzidos através da injeção intrahipocampal (i.h.) de ácido caínico respondem ao transplante intrahipocampal de células mesenquimais de tecido adiposo (CMTA). Os camundongos serão observados quanto a presença e frequência de crises e os encéfalos serão avaliados por imunohistoquímica e ensaios bioquímicos.Trabalhos realizados pelo mesmo grupo do laboratório de neurofisiologia indicaram que em camundongos transplantados com células de medula óssea total, foi possível bloquear a crise convulsiva, principalmente a fase tônica, induzida por ECM (Ferrazoli et al, 2012), mostrando efeitos dessas células em crises convulsivas agudas. Nesse mesmo laboratório, já foi obtido resultados com diminuição de crises tônicas induzidas por ECM em camundongos transplantados com CMTA no hipocampo (Tamura et al, 2013, em preparação). O presente projeto pretende verificar a hipótese de que o transplante das células mesenquimais pode induzir uma resposta neuroprotetora contra as crises epilépticas crônicas, e elucidar, por análise histológica, como essas células agem, se de modo parácrino ou local.