Busca avançada
Ano de início
Entree

Velhos medos no Novo Mundo: as ciências e os animais peçonhentos no Brasil dos séculos XVI ao XIX

Processo: 13/26295-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2014
Vigência (Término): 30 de setembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biologia Geral
Pesquisador responsável:Márcia Moisés Ribeiro
Beneficiário:Vinicius Vizotto dos Santos
Instituição-sede: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/10526-0 - Velhos medos no Novo Mundo: as ciências e os animais peçonhentos no Brasil dos séculos XVI ao XIX, AP.R
Assunto(s):Toxicologia veterinária   Serpentes   Envenenamento por animais peçonhentos   História da ciência

Resumo

O objetivo do projeto é fazer um estudo histórico da "toxinologia" animal no Brasil no período situado entre o século XVI e início do século XX, quando então o desenvolvimento da microbiologia e da imunologia impulsionaram as pesquisas que culminaram com a obtenção de soros contra o envenenamento ofídico, entre outros soros. O Ponto de partida para a história da toxinologia no Brasil é sem dúvida a figura de Vital Brazil Mineiro da Campanha, que em 1903 concluiu suas descobertas sobre a especificidade do soro antipestoso e estabeleceu um novo conceito na imunologia. Embora suas descobertas representem um marco fundamental na inauguração dos estudos científicos sobre toxinologia é importante ressaltar que antes dele já havia no Brasil um médico de renome que se interessava por experiências relacionadas aos venenos de nossas serpentes: Otto Heinrich Wücherer (1820-1873). Graças aos seus estudos pioneiros hoje se tem acesso às primeiras experiências científicas envolvendo o ofidismo no Brasil. Felizmente hoje se tem acesso a toda a obra de Vital Brazil e ao legado de Wücherer, em função do que, é possível fazer uma trajetória da toxinologia a partir do final do século XIX e princípios do XX. Mas para épocas anteriores existe um silêncio e pouco se sabe sobre a história das toxinas animais durante os séculos em que o Brasil foi colônia de Portugal e mesmo no período logo após a independência. É justamente sobre este vazio, este período pouco estudado pela história -século XVI ao XIX- que se pretende desenvolver o projeto. Para a sua viabilização serão utilizados livros de autoria de cronistas, viajantes, missionários e documentação manuscrita avulsa. Inicialmente serão feitos levantamentos documentais em bibliotecas nacionais e estrangeiras. A forma de divulgação dos resultados das pesquisas será através do portal do site do INCTTOX e do portal do professor/MEC e no Banco Internacional de Objetos Educacionais onde periodicamente postaremos documentação de época e artigos sobre o tema. Será esta sem dúvida uma forma de aproximar a população dos primórdios do universo científico no Brasil. (AU)