Busca avançada
Ano de início
Entree

Gravidez na adolescência e práticas de cuidado infantil: fatores de risco e proteção

Processo: 13/25180-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2014
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia
Pesquisador responsável:Marina Rezende Bazon
Beneficiário:Marília Hormanez
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Gravidez na adolescência   Práticas de criação infantil   Fatores de risco

Resumo

A maternidade na adolescência é um fato recorrente em nossa sociedade. Embora já tenha sido concebido como algo positivo, na atualidade, é preponderantemente percebido como um problema, seja para a própria adolescente, em termos de riscos físicos, psicológicos e sociais, seja para o bebê, em termos da qualidade do cuidado que pode receber. Dentro disso, o presente projeto focaliza o risco de maus tratos infantis presentes para mães adolescentes, entendendo que esse não depende exatamente da idade da mãe, mas sim de sua exposição a fatores determinados, que efetivamente incrementam as chances de a maternidade ser vivida como um desafio que supera os recursos que jovem mãe dispõem para cuidar do bebê. Assim, a investigação tem como objetivo a caracterização de uma amostra de mães adolescentes no tocante aos fatores destacados na literatura especializada: nível socioeconômico, apoio social e concepções/crenças relativas à maternidade e ao desenvolvimento infantil. Para tal, serão recrutadas, por meio de informações constantes nos Conselhos Tutelares da cidade de Ribeirão Preto - SP, 20 adolescentes que tenham filhos, com idades entre 0 e 6 meses, sob seus cuidados, considerando que na cidade existe a prática das maternidades públicas notificarem os Conselhos o fato de uma adolescente ter dado à luz um bebê. As adolescentes serão convidadas a participar da pesquisa e, uma vez aceito, elas responderam a um Roteiro de Entrevista Semi-Estruturada para a Caracterização Sócio-Demográfica da Mãe e para a caracterização do Desenvolvimento do bebê e da Interação Cuidador-Criança; ao Questionário de Apoio Social; ao Inventário de Potencial de Maus Tratos Infantil. Os dados coletados poderão ser tratados por meio de uma abordagem quali-quantitativa, considerando a necessidade de descrição dos dados, com vistas à caracterização da amostra no tocante à exposição das adolescentes aos principais fatores de riscos para os maus tratos infantis.