Busca avançada
Ano de início
Entree

O efeito da oportunidade de escolha entre tarefas sobre o autocontrole em crianças com o transtorno do espectro do autismo(TEA) e com desenvolvimento típico.

Processo: 13/20793-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2014
Vigência (Término): 31 de julho de 2014
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia Experimental
Pesquisador responsável:Antonio Celso de Noronha Goyos
Beneficiário:Rafael Santos Gonçalves
Instituição-sede: Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Crianças   Transtorno autístico   Análise do comportamento   Autocontrole

Resumo

A impulsividade é entendida na análise do comportamento como a escolha do reforço imediato de menor magnitude em detrimento do reforço atrasado de maior magnitude. Autocontrole é definido como a relação oposta: a escolha de um reforço atrasado de maior magnitude em detrimento a escolha de um reforço imediato de menor magnitude. Crianças e adultos com desenvolvimento atípico e crianças diagnosticadas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) são descritas normalmente como mais impulsivas em relação a adultos e crianças com desenvolvimento típico. Investigações acerca das variáveis que afetam o desenvolvimento do repertório de autocontrole em crianças com desenvolvimento atípico e em crianças diagnosticadas com TEA possuem, além de importância científica, um enorme potencial de aplicabilidade prática em programas de intervenção com esta população. O desenvolvimento de repertórios de autocontrole, principalmente em populações que apresentam maior probabilidade de comportamentos impulsivos, é desejável por possibilitar que indivíduos entrem em contato com reforçadores distantes temporalmente, mas com grande impacto em sua vida (estudar, manter uma boa saúde, entre outros). O objetivo geral do presente trabalho será desenvolver um procedimento para aumentar o repertório de autocontrole em crianças de desenvolvimento típico e crianças diagnosticadas com TEA. O Estudo 1 será realizado com 10 crianças com idade entre 4 e 7 anos com desenvolvimento típico e terá como objetivo instalar pré-requisitos comportamentais básicos para a escolha entre um cartão pareado com um reforço imediato de menor magnitude e um cartão pareado com um reforço atrasado de maior magnitude. Inicialmente será realizada uma avaliação de itens de preferência com potencial para serem utilizado como reforçadores. Na Fase 1 será realizado um treino de discriminação simples com reversão, no qual, a escolha de um cartão será consequenciada com o reforço e a escolha do outro cartão será seguida da próxima tentativa. Na Fase 2 será realizado o treino da magnitude do reforço com reversão, no qual, a escolha de um cartão será consequenciada com o reforço de menor magnitude e a escolha de outro reforço será consequenciada com o reforço de maior magnitude e na Fase 3, será introduzido o treino do atraso do reforço, no qual, a escolha de um cartão será consequenciada com o reforço de maior magnitude após um atraso que aumentará progressivamente e a escolha de outro cartão será consequenciada com o reforço de menor magnitude. O objetivo do Estudo 2 será investigar os efeitos de duas condições de escolha de tarefas a serem realizadas durante o atraso do reforço de maior magnitude sobre o autocontrole de crianças com desenvolvimento típico. Na Condição com Escolha Livre o participante poderá escolher entre duas atividades para se engajar durante a espera do reforço atrasado. Na Condição Escolha Forçada o experimentador disponibilizará apenas uma atividade durante a espera do reforço atrasado. O Estudo 1 e 2 serão realizados com crianças com desenvolvimento típico para assegurar a eficácia dos procedimentos a esse tipo de população antes de expor crianças diagnosticadas com TEA aos mesmos procedimentos. O Estudo 3 será realizado como objetivo de replicar os Estudos 1 e 2 com crianças diagnosticadas com Transtorno do Espectro Autista (TEA). O Estudo 3 será realizado com 10 crianças com idade entre 4 e 7 anos. Os procedimentos realizados serão os mesmos dos Estudos 1 e 2.