Busca avançada
Ano de início
Entree

A Reinvenção do Folclore Boliviano em São Paulo

Processo: 13/19121-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2014
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Sociologia - Outras Sociologias Específicas
Pesquisador responsável:Rosana Aparecida Baeninger
Beneficiário:Willians de Jesus dos Santos
Instituição-sede: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Migração internacional   Bolivianos   Folclore

Resumo

Esta pesquisa parte da perspectiva teórica de que sob contexto migratório os Sinais Diacríticos (CARNEIRO DA CUNHA, 1986) e os Signos Diacríticos (BARTH, 1998), denominado de folclore, e ressignificados pelos migrantes, constituem Tradições Inventadas (HOBSBAWN, [1984],1997) que lhes fornecem coesão e convívio em novos contextos. Neste sentido, observando a produção de símbolos e a reelaboração de danças entre bolivianos e seus descendentes dentro da fraternidade folclórica Caporales San Simón SP-Brasil existente em São Paulo e também na Bolívia, visa compreender os gestos e os significados que mediam a constituição da socialidade dos migrantes na cidade. O estudo de método etnográfico inscreve, pois, através da escrita e da fotografia, os símbolos e as expressões corporais, mapeando assim os diversos significados sobre a origem da fraternidade na Bolívia e em São Paulo, a origem da dança folclórica boliviana e sua ressignificação no Brasil e o perfil profissional dos integrantes da fraternidade. Pretendo verificar a hipótese da fraternidade folclórica San Simón, por meio da expressão da dança, constituir uma agência cultural (ORTNER, 2007), assim, verificar quais símbolos e práticas 'tradicionais' do país de origem são ressignificados em São Paulo para a realização de socialidade. Se a tradição denominada folclore boliviano é reinventada na cidade: quais símbolos e práticas a fraternidade agencia para constituir permanência e convívio neste novo contexto aos seus atores sociais?